https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/05/seduc-e1522152568931.jpg

OPERAÇÃO RÊMORA

Advogada diz que vai provar inocência de ex-assessor da Secretaria de Educação

Divulgação

michelle-marie

Advogada de Fábio Frigeri, Michelle Marie. Foto: Reprodução/Facebook

A advogada Michelle Marie, que patrocina a defesa do ex-assessor especial da Secretaria de Educação do Estado, Fábio Frigeri, disse, em entrevista ao SBT Comunidade, nesta terça-feira (8), após audiência de instrução e julgamento da ação penal decorrente da Operação Rêmora, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – Gaeco, que o seu cliente não tem envolvimento das supostas fraudes ocorridas dentro da Seduc.

Fábio Frigeri, que está em vias de fazer delação premiada junto à Justiça, está preso desde o dia 3 de maio deste ano. Já são mais de cinco meses preso no Centro de Custódia de Cuiabá.

Ainda em maio, o ex-assessor virou réu da ação penal após a Justiça receber a denúncia oferecida pelo Ministério Público do Estado.

Além dele, mais de 20 pessoas também viraram réus, entre elas o ex-secretário de Educação, Permínio Pinto (PSDB), que está preso desde julho deste ano.

OPERAÇÃO RÊMORA

A organização criminosa, conforme o Gaeco, é composta por três núcleos: de agentes públicos, de operações e de empresários.

O núcleo de operações, após receber informações privilegiadas das licitações públicas para construções e reformas de escolas públicas estaduais, organizou reuniões para prejudicar a livre concorrência das licitações, distribuindo as respectivas obras para 23 empresas, que integram o núcleo de empresários.

As fraudes no caráter competitivo dos processos licitatórios começaram a ocorrer em outubro de 2015 e dizem respeito a, pelo menos, 26 obras de construção e/ou reforma de escolas públicas em diversas cidades do Estado de Mato Grosso, cujo valor total ultrapassa o montante de 56 milhões de reais.

Segundo o Gaeco, está comprovado que após o pagamento por parte da Seduc aos empreiteiros o valor de (inicialmente 5% e posteriormente de 3%) era devolvido a parte da organização criminosa.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *