https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/09/policia-civil-mt-e1519851043272.jpg

MATA GRANDE

Empresário acusado de encomendar assassinato sai de presídio por engano

Assessoria/PJC

Uma possível falha de um plantonista do presídio da Mata Grande, em Rondonópolis, resultou na soltura pelo portão da frente do empresário F. S. V., de 41 anos, suspeito de encomendar a morte do funcionário dele Paulo Sander Alves, de 20 anos.

O motivo da morte, segundo as investigações da Polícia Judiciária Civil, seria para o empresário receber um seguro de vida no valor de R$ 2 milhões, feito no nome da vítima.

Segundo a direção da unidade, ocorreu por causa de um erro do plantonista que não viu que havia mais de um mandado de prisão em desfavor do empresário.

A Polícia Civil informou que existia um alvará de soltura para o empresário pelo crime de posse de arma, mas o plantonista não teria observado que havia outra prisão pela suspeita da encomenda da morte do funcionário.

Um inquérito foi aberto para apurar a saída do empresário da Mata Grande.

ENTENDA O CASO

Investigações da Polícia Judiciária Civil, por meio da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), de Rondonópolis (212 km ao Sul), descobriram que o assassinato do jovem, Paulo Sander Alves, 20 anos, foi encomendado pelo casal, F. S. V. e V. G. T.

O motivo foi um seguro de R$ 2 milhões feito em nome da vítima, em que V. G. T. era beneficiária de 90 % valor.

O casal foi preso nesta terça-feira (08.11), na operação “Seguro Premiado”, deflagrada pela Polícia Civil com apoio operacional da Polícia Militar.

A  ação iniciou nas primeiras horas para o cumprimento de três mandados de prisão temporária (30 dias) e seis buscas e apreensão domiciliar.

A delegada Karla Cristina Peixoto Ferraz, informou que a vítima trabalhava há 4 meses na empresa do casal, denominada Guincho Brasil Resgate, e foi morta a tiros dentro do estabelecimento.

“No dia do crime, 23 de fevereiro de 2016, a vítima estava de folga e foi chamada no Guincho para resolver alguma coisa. Nesse dia ela recebeu uma ligação para ir à empresa e chegando lá um terceiro suspeito abriu o portão para o executor”, contou a delegada.

O terceiro envolvido também está com mandado de prisão expedido, mas não foi localizado durante a operação.

O executor, conforme a delegada, ainda não está totalmente identificado nas investigações, que prosseguem pela Delegacia até o total esclarecimento do crime e prisão de todos os envolvidos.

A delegada explicou que o casal é o mandante do crime e o terceiro suspeito tem seu envolvimento como partícipe. “Ele participa do crime franqueando a entrada da vítima na empresa”, disse.

Durante as buscas, na casa do casal, um apartamento no bairro Vila Aurora, os policiais apreenderam um revólver calibre 38.

Em outra casa, que pertence a  um funcionário da empresa, os policiais encontraram outro revólver calibre 32.

O funcionário foi autuado posse irregular de arma de fogo e liberado mediante pagamento de fiança.

As demais buscas foram feitas na empresa, escritório e outras casas de empregados.

Conforme a delegada, o seguro não chegou a ser pago, por conta das investigações terem identificado a motivação do crime e alertado a seguradora.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *