https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/11/download.jpg

A morte do rapaz bombeiro

A morte encontrou Rodrigo Patrício Lima Claro, aos 21 anos, sem que ele tivesse tempo para realizar o sonho de ser bombeiro militar.

Horas de treinamento brutal na Lagoa Trevisan, com sessões de afogamento segundo relatos de colegas, pelas mãos da instrutora e tenente Isadora Ledur tiraram a vida do rapaz.

O Rodrigo, herói do futuro que salvaria pessoas, é o Rodrigo vítima hoje, que sucumbiu sem chance de defesa diante da implacável bombeira.

A mãe Jane, namorada, família, vizinhos e amigos nunca mais verão o sorriso tímido que por vezes escapava e iluminava o rosto do jovem.

A dor cravada na alma de todos que amaram e amam Rodrigo estarrece a cidade, Mato Grosso e sei lá mais onde, assim que a notícia chega.

Como podemos aceitar, enquanto mães e pais, que um rapaz entregue aos cuidados de uma corporação secular como a Polícia Militar, seja devolvido inerte.

É admissível em pleno século 21, na velocidade quase cibernética do mundo, recorrer a práticas cruéis para ensinar alguém uma profissão, que prioriza o cuidado e a proteção das pessoas.

Penso que nada justifica. Não mesmo. Barbárie e mente doentia camufladas sob pretensa legalidade?

Onde está escrito que o treinamento de um futuro bombeiro precisa ser conduzido em condições como as relatadas pelos companheiros de Rodrigo? No regimento da corporação?

Se estiver, até onde sei é um flagrante desrespeito à própria Constituição Federal e aos princípios universais dos Direitos Humanos, ratificados pelo Brasil.

Ainda não se sabe oficialmente a causa da morte de Rodrigo. Mas a família não tem nenhuma dúvida de que as sessões de afogamento e o treinamento excessivo são responsáveis pelo óbito precoce.

A versão do Comando do Corpo de Bombeiros é de que o Rodrigo passou mal enquanto atravessava a nado a Lagoa Trevisan. Penso que a morte do formando não pode se resumir a explicações tão vagas.

E convenhamos, mesmo que seja essa a verdade, fica mais evidente que algo errado aconteceu naquele momento. Esforço desmedido é fator para qualificar um aspirante a bombeiro?

Ainda mais grave. No contraponto da tragédia, uma promoção na carreira militar aguarda a instrutora Isadora, investigada por tortura que pode ter matado Rodrigo.

Na solenidade, marcada para 2 de dezembro mesmo dia em que se formaria o aluno, a tenente bombeiro mudará de patente, passando a capitã.

A “premiação”, como encara a família, é motivo de revolta. Jane Patrícia Lima Claro, mãe de Rodrigo, já acalenta no coração a dor da ausência, mas não considera razoável, nada razoável, que Isadora vire capitã.

Difícil entender que os meandros legais permitam a promoção de Isadora. Superiores alegam que ela fez por merecer.

Talvez tenha feito sim, pelo menos até aquela violenta tarde de quinta-feira, 10 de novembro. É o que pensa Jane. Ela aguarda um gesto do Estado de Mato Grosso. E a sociedade espera uma resposta.

Margareth Botelho é jornalista em Cuiabá

Veja Mais

Um comentário em “A morte do rapaz bombeiro”

  1. alisson cordeiro disse:

    Cadê o povo ??? o povo não está mais tolerando essas sacanagens mais não. Pega essa TENENTE ISADORA LEDUR e faz a mesma coisa com ela, até ela perder os sentidos e depois prende se ela tiver mais sorte que o rapaz que ela afogou e torturou.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *