https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/09/mosquito-da-dengue-e1499197068630.jpg

GUERRA CONTRA MOSQUITO

Comitê se reune para definir ações de combater ao Aedes aegypti em Cuiabá

Divulgação

Casos de dengue em Mato Grosso aumentam 114,9%. Foto: Divulgação

O Comitê de Ação Preventiva contra o mosquito Aedes aegypti, responsável por coordenar as ações de combate ao vetor da dengue, da doença do zika vírus e da febre do chicungunya, já iniciou seus trabalhos.

Na última sexta-feira (20), técnicos e secretários da Saúde, Serviços Urbanos, Ordem Pública, Procuradoria Geral do Município, de Governo, Educação e Comunicação estiveram reunidos para traçar o plano de ações para Cuiabá.

Os representantes de cada uma das Secretarias que integram o Comitê irão definir suas ações. Durante a reunião foram sugeridas ações de impacto como o recolhimento do lixo intradomiciliar, o lixo da dengue, e ações de educação em saúde.

Na reunião, a técnica do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS), Moema Couto Silva Blatt,  alertou sobre os resultados do Levantamento de Índice Rápido (LIRAa).

O Índice de Infestação Predial (IIP) neste mês de janeiro foi de 6,6%, bem abaixo dos 11,3% registrados no mesmo período do ano passado, mas não menos preocupante.   Na pesquisa, 38% dos bairros (estratos) estão em situação de altíssimo risco.

“Não há estratos com situação satisfatória em Cuiabá e a região sul da capital é a que detém os maiores índices”, alertou a técnica.

Moema Blatt lembrou que, nessa época do ano, o acúmulo de água agrava a situação e as ações não podem ser pontuais, mas de rotina, durante todo o ano, combinadas com um trabalho de educação e em parceria com  as demais secretarias.

A Técnica explicou também que as unidades de Saúde já receberam  as informações sobre a situação de infestação do mosquito, por meio do Boletim de Alerta de Risco de Transmissão de Dengue, Chikungunya e Zika, e devem  ficar de alerta.

No Boletim estão apontados os bairros mais problemáticos da capital, ou seja, aqueles que possuem o índice de infestação mais alto dentre aqueles que compõem os estratos pesquisados no LIRAa.

Os bairros com altíssimo risco IIP (ou seja, índices maiores ou iguais a 8,0), na região Norte, são o CPA I, Novo Paraíso e Tancredo Neves.

Na Região Sul, o Parque Atalaia, Jardim Alencastro e Jardim Gramado; na Região Leste, o Planalto, Jardim Itamarati e Sol Nascente e na Região Oeste, Alvorada Altos da Boa Vista e Vila Real.

Entre os bairros com Alto Risco (IIP maior ou igual a 4,0 – 7,9) estão Jardim Vitória, Altos da Chapada e Jardim Florianópolis na Região Norte; Chácara dos Pinheiros e Tijucal 1 e 2, na Região Sul; Dom Aquino, Poção e Grande Terceiro, na Região Leste e Goiabeiras, Cidade Alta e Santa Isabel na Região Oeste.

Os bairros onde o Risco é Médio e a situação é de Alerta (IIP maior ou igual a 1,0 – 3,99) são,  na Região Norte, o 1º de Março, Altos da Gloria e 3 Barras; na Região Leste o Jardim Leblon, Jardim Imperial 1 e Pedregal, na Região Leste, e Duque de Caxias na Região Oeste.

Casos

O Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS) também já divulgou o Boletim Semanal dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika.

No acumulado do ano já foram notificados na Vigilância em Saúde de Cuiabá, 69 casos de dengue, sete de chikungunya e três casos de zika em gestantes sendo um deles em uma mulher não residente  na capital. Também foram notificados 10 casos de zika em outras pessoas (não gestantes).

Os bairros com maior número de notificações de Dengue, Chikungunya e Zika são, na Região Norte, o 1º de Março, com cinco casos de dengue e dois de zika e Altos da Serra com quatro casos de dengue e um de zika.

Na Região Sul, o Pedra 90 tem notificados 30 casos de dengue, um de chicungunya e dois de zika e Osmar Cabral com três casos de dengue e dois de zika.

Na Região Leste no bairro Planalto foram notificados 10 casos de dengue e quatro de zika e no Recanto dos Pássaros, cinco casos de zika.

Os bairros do Porto com três casos de dengue, um de chicungunya e um de zika e o  Verdão com um caso de dengue, um de zika e um de chicungunya foram os campeões de notificações na Região Oeste.

Para fazer o controle vetorial, o Centro de Controle de Zoonoses visitou até o dia 19 de janeiro, 19.538 imóveis. Desse total, 3.062 imóveis e 3.609 depósitos de água receberam tratamento.

A coordenadora da Vigilância em Zoonoses, Alessandra Carvalho,  falou sobre as ações desencadeadas pelo órgão com o  objetivo de reduzir os IIP pelo Aedes aegypti.

No planejamento da Zoonoses estão previstas a intensificação das ações de mobilização da população, para manter os domicílios sem criadouros do vetor, a eliminação dos criadouros removíveis e a atuação em parceria com as demais secretarias municipais.

“Temos problemas em situações envolvendo imóveis pendentes, moradores em situação de vulnerabilidade social, instituições públicas com instalações infestadas e bolsões de lixo. Daí a necessidade da participação de todos os órgãos públicos nos casos pertinentes as suas atribuições”, destacou Alessandra Carvalho.

A secretária de Saúde de Cuiabá, Eliseth Araújo reafirmou a determinação do prefeito Emanuel Pinheiro de unir forças no combate ao Aedes aegypti.

O Comitê de Ação Preventiva foi instituído oficialmente pelo Decreto nº 6.207, de 02 de janeiro.

Diante da situação de alto risco, o prefeito Emanuel Pinheiro determinou, que ações de combate aos criadouros do Aedes aegypti tenham caráter  permanente e se tornem  uma política de governo.

O Comitê orienta as ações conjuntas entre as Secretarias Municipais de Governo, Comunicação, Obras Públicas, Serviços Urbanos, Ordem Pública, Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Procuradoria Geral, de Assistência Social e Educação.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *