https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/10/marcel-e1469194049647.jpg

PRESO NA SODOMA

Tribunal de Justiça julga HC e Marcel de Cursi pode deixar prisão após 1 ano e 5 meses

Divulgação

A Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso julga nesta quarta-feira o mérito de um habeas corpus impetrado pela defesa do ex-secretário de Estado de Fazenda, Marcel Souza de Cursi, referente a sua prisão na 4ª fase da “Operação Sodoma”. O pedido de liberdade feito pelos representantes legais de Marcel de Cursi foi negado em pedido liminar no dia 28 de outubro de 2016.

Participam do julgamento nesta quarta-feira os desembargadores Alberto Ferreira de Souza, Pedro Sakamoto e ainda Orlando de Almeida Perri, que substitui Rondon Bassil Dower Filho. Este se declarou suspeito de analisar casos referente a “Operação Sodoma” devido ao seu filho, o advogado Leonardo Bassil, atuar na defesa de um dos réus.

Marcel chegou a receber outros mandados de prisão noutras operações. No entanto, todos já foram revogados pelo Superior Tribunal de Justiça ou Supremo Tribunal Federal.

Na ação, o ex-secretário do governo Silval Barbosa (PMDB), preso desde setembro de 2015, alega “constrangimento ilegal” em face da juíza da Sétima Vara Criminal, Selma Rosane Santos Arruda, que conduz o julgamento do caso na primeira instância da justiça mato-grossense. O suposto constrangimento ilegal reside no fato, segundo tese da defesa, de que o argumento que desencadeou a prisão foi o fato do ex-secretário ter “comprado ouro” do ex-presidente da Companhia Mato-Grossense de Mineração (Metamat), João Justino Paes Barros.

Segundo a legislação, transações não autorizadas que envolvam o metal precioso são de jurisdição da Justiça Federal e não da esfera jurídica estadual. A defesa de Marcel de Cursi afirma que o decreto “é nulo e sem valor”, argumentando que a Sétima Vara Criminal é o “juízo incompetente” para tratar o caso.

Ainda denota ao Poder Judiciário de Mato Grosso a pecha de “Tribunal de Exceção” na hipótese do não deferimento do habeas corpus. Porém, mesmo com a liminar não concedida pelo desembargador Alberto Ferreira de Souza no dia 28 de outubro do ano passado, a defesa tem grande esperança de libertar o ex-secretário nesta quarta.

A decisão da Segunda Câmara Criminal que substituiu a prisão preventiva por medidas cautelares do ex-secretário de Planejamento, Arnaldo Alves de Souza Neto, réu da “Sodoma 4”, pode beneficiar o ex-secretário de Fazenda. No dia 25 de janeiro de 2017, a Segunda Câmara Criminal substituiu a medida cautelar que mantinha na prisão de Arnaldo, detido após supostamente ter recebido R$ 607,5 mil para “facilitar”, por meio de previsão de recursos em dotação orçamentária, a compra de uma área, em Cuiabá, superfaturando o negócio em mais de R$ 15,8 milhões.

Apesar do voto contrário de Alberto Ferreira de Souza, os desembargadores Pedro Sakamato e Orlando Perri, que substituiu o magistrado Rondon Bassil Dower Filho, venceram o voto do relator. Arnaldo Alves de Souza foi colocado em liberdade após pagar fiança de R$ 607 mil, valor que teria sido beneficiado no esquema fraudulento.

De acordo com o acórdão do habeas corpus impetrado em favor de Arnaldo Alves Neto, Orlando Perri fez críticas ao decreto de prisão do ex-chefe da Seplan, assinado por Selma Arruda. Segundo ele, a juíza não pode ficar a “mercê de situações conjecturais, existentes, segundo ele, apenas no “medo ou nas fantasias do juiz, quando não há indolência ou até mesmo na maldade de suas intenções”.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *