https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2017/02/foto51026.jpg

CONDUZIDO COERCITIVAMENTE

Ex-vereador de Cuiabá, Lúdio Cabral é alvo da Operação Sodoma V

O ex-vereador por Cuiabá e candidato ao Governo do Estado em 2014, Lúdio Cabral (PT), também é um dos alvos da quinta fase de Operação Sodoma, realizada pela Delegacia Fazendária, na manhã desta terça-feira (14).

Lúdio, que é médico, chegou para prestar depoimento na sede da Defaz de forma coercitiva em seu próprio carro.

Ele estava acompanhado de um dos delegados que conduzem a Operação em Cuiabá.

O ex-presidente da OAB de Mato Grosso, Francisco Anis Faiad, chegou por volta das 8h20 na sede da Delegacia Fazendária, em Cuiabá.

Ele também é alvo da quinta fase da Operação Sodoma realizado por agentes da Polícia Judiciária Civil.

Mato Grosso Mais registrou o momento da chegada de Faiad, que hoje ocupa o cargo de procurador da Câmara de Vereadores de Cuiabá.

Faiad, que foi secretário de Administração na gestão de Silval Barbosa (PMDB),  disse ao Mato Grosso Mais que não tem conhecimento das investigações do qual é alvo.

Além dele, o ex-secretário adjunto da SAD, Coronel PM José  Nunes Cordeiro, também alvo da Operação, foi levado à sede da Defaz para prestar depoimento, em imagens registradas por Mato Grosso Mais.

Os dois tiveram mandados de prisões decretados pela Justiça. Além deles, o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e o ex-chefe de gabinete do ex-governador, Sílvio Cesar Corrêa Araújo, também tiveram a prisão decretada.

O ex-secretário de Fazenda Marcel de Cursi foi ouvido de forma coercitiva.

A quinta fase da Sodoma investiga fraudes à licitação, desvio de dinheiro público e pagamento de propinas, realizados pelos representantes da empresa Marmeleiro Auto Posto LTDA e Saga Comércio Serviço Tecnológico e Informática  LTDA, em benefício da organização criminosa comandada pelo ex-governador, Silval da Cunha Barbosa.

OPERAÇÃO SODOMA V

Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso deflagrou na manhã desta terça-feira (14.02)  5ª fase da Operação Sodoma, que investiga fraudes à licitação, desvio de dinheiro público e pagamento de propinas, realizados pelos representantes da empresa Marmeleiro Auto Posto LTDA e Saga Comércio Serviço Tecnológico e Informática  LTDA, em benefício da organização criminosa comandada pelo ex-governador, Silval da Cunha Barbosa.

A investigação presidida pela Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública, cumpri cinco mandados de prisão preventiva, nove de condução coercitiva e nove de busca e apreensão domiciliar, nos estados de Mato Grosso, Santa Catariana e Distrito Federal.

Participam da operação 17 equipes de policiais civis, compostas por delegados, investigadores e escrivães.

Os mandados de prisão foram cumpridos contra os investigados: Valdisio Juliano Viriato, Francisco Anis Faiad, Silval da Cunha Barbosa, Sílvio Cesar Corrêa Araújo, Jose Jesus Nunes Cordeiro.

Entre os conduzidos coercitiva para interrogatórios estão: Wilson Luiz Soares, Mario Balbino Lemes Junior, Rafael Yamada Torres, Marcel Souza de Cursi.

Os suspeitos são investigados em fraudes à licitação, corrupção, peculato e organização criminosa em contratos celebrados entre as empresas Marmeleiro Auto Posto LTDA e Saga Comércio Serviço Tecnológico e Informática  LTDA, nos anos de 2011 a 2014, com o Governo do Estado de Mato Grosso.

Segundo a Polícia Civil apurou, as empresas foram utilizadas pela organização criminosa, investigada na operação Sodoma, para desvios de recursos públicos e recebimento de vantagens indevidas, utilizando-se de duas importantes secretarias, a antiga Secretaria de Administração (Sad) e a Secretaria de Transporte e Pavimentação Urbana  (Septu), antiga Secretaria de Infraestrutura (Sinfra).

As duas empresas, juntas, receberam aproximadamente R$ 300 milhões, entre os anos 2011 a 2014, do Estado de Mato Grosso, em licitações fraudadas.

Com o dinheiro desviado efetuaram pagamento de propinas em benefício da organização criminosa no montante estimado em mais de R$ 7 milhões.

Os presos e conduzidos estão sendo levados para a Defaz.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *