https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/07/algemas-e1524844605820.jpg

LEVADO PARA O CCC

Juíza decreta prisão preventiva de advogado preso em motel com duas menores

Ilustrativa

O advogado V. M., de 50 anos,  que tem escritório em Lucas do Rio Verde, preso na madrugada de ontem (17) em motel de Cuiabá com duas menores de idade teve a sua prisão convertida para preventiva. Com isso, ele foi encaminhado para o Centro de Custódia de Cuiabá.

A decisão é da juíza Renata do Carmo Evaristo Parreira após uma audiência de custódia realizada no no Fórum de Cuiabá ainda nesta sexta-feira.

Narra o registro policial que, após denúncia, a Polícia Militar foi ao motel e flagrou a situação no quarto 8.

O advogado confessou que fez sexo com a menina de 15 anos, na frente da de 12.

No quarto tinha cerveja aberta e batatas das marcas Pringles e Ruffles, além de bombom Ouro Branco.

Uma das meninas, I.I.F.S.S., contou que elas estavam na avenida dos Trabalhadores, próximo a um posto de combustível, quando abordaram a Hillux preta do advogado.

A adolescente usou a seguinte expressão com ele: “Bora?” Nisso, o advogado abriu a porta do carro e as meninas entraram, seguindo rumo ao motel.

Dentro do carro, conforme a menor de 15 anos, o advogado ofereceu uma quantia em dinheiro para ela fazer sexo com ele.

Contou também que ele ofereceu bebida alcoólica e as guloseimas e elas aceitaram.

As informações são da Polícia Militar, que encaminhou o advogado à Central de Flagrantes e comunicou o fato ao Conselho Tutelar, por envolver menores de idade.

O advogado é conselheiro suplente da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Mato Grosso (OAB-MT).

Veja a nota da OAB

“Em relação aos fatos noticiados acerca da prisão do advogado V. M., a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT) informa que:

• Conforme previsto no inciso IV do artigo 7º da Lei 8.906/94, é direito do advogado ter a presença de representante da OAB, quando preso em flagrante, por motivo ligado ao exercício da advocacia, para lavratura do auto respectivo, sob pena de nulidade e, nos demais casos, a comunicação expressa à seccional da OAB;

• Apesar de não ter sido acionada pelo advogado no momento da prisão, a OAB-MT, por meio de seu presidente, Leonardo Campos, e do presidente do Tribunal de Defesa das Prerrogativas (TDP), André Stumpf, compareceu até a Central de Flagrantes para averiguar a situação e o cumprimento das prerrogativas previstas em lei;

• A OAB-MT acompanhará a situação para adotar as medidas de sua competência;

• As cópias dos autos serão solicitadas para devida instauração de processo junto ao Tribunal de Ética e Disciplina (TED) da OAB-MT, a quem cabe avaliar a conduta conforme prevê o Código de Ética;

• A OAB-MT ressalta que não é seu papel atuar na defesa do advogado, mas sim de suas prerrogativas, bem como zelar por toda advocacia, para que direitos e deveres sejam cumpridos”.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *