https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/09/polícia-civil.jpg

VIOLÊNCIA DESENFREADA

Mulher é encontrada amarrada e estrangulada em bairro de Cuiabá

Corregedoria da Polícia Civil prende investigador acusado de extorsão . Foto: Divulgação

O corpo de uma mulher foi encontrado nesta sexta-feira (03) em uma casa no Bairro Santa Laura, na região do Coxipó, com sinais de estrangulamento.

De acordo com a Polícia Militar, a vítima, que não teve a identidade revelada, estava nua e com os membros amarrados por cordas e peças de roupa.

“Nós encontramos o corpo dela coberto por um lençol e de imediato acionamos a Polícia Civil. Não manuseamos o cadáver, mas pelo que deu para ver o crime foi recente, acredito que ela tenha sido morta na noite passada”, disse o tenente Flávio Barbosa, que atendeu a ocorrência.

Segundo Barbosa, a Polícia Militar foi chamada por um pastor, tio do suposto dono da residência, que é suspeito de ter cometido o crime e até o momento não foi localizado.

Ao MidiaNews, a Polícia Civil afirmou que o homem sofre de problemas mentais e seria usuário de drogas.

“O tio dele, que acionou a polícia, contou que passou na casa hoje de manhã para chamar o sobrinho para carpir um lote. Ele disse que, quando chegou, havia uma música muito alta e, quando entrou na residência, encontrou o corpo da mulher”, informou a assessoria da Polícia Civil.

Vizinhos relataram aos policiais que, na noite da última quinta-feira (02), ouviram gritos que pareciam ser uma briga entre um casal.

Quando foi encontrada, a vítima estava com o rosto desfigurado, o que impossibilitou sua identificação. Além disso, segundo a polícia, a mulher estava sem as roupas de baixo e apresentava sinais de violência sexual.

Vários preservativos foram encontrados na casa e colhidos para serem analisados pela perícia.

Conforme a Polícia, embora o corpo da mulher tenha sido encontrado com diversos fios e cordas em volta do pescoço, somente a perícia do Instituto de Medicina Legal (IML) poderá confirmar a causa da morte.

A Polícia Civil investiga o caso.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *