https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2017/08/d3ad528a9824ee5925019520e375347a.jpg

ABSURDO

Adolescente fica com o rosto inchado após tratamento dentário em clínica de Várzea Grande

Arquivo Pessoal

A jornalista Flávia Borges contou, por meio de sua página pessoal no Facebook, uma situação absurda que viveu com sua filha após a menina ser atendida em uma clínica odontológica em Várzea Grande.

Borges já fez a denúncia junto ao Conselho Regional de Odontologia de Mato Grosso (CRO-MT).

Segundo a jornalista, a filha, Maria Clara, iniciou o tratamento na clínica em junho deste ano.

Um dos dentistas mexeu em um dos dentes, chegando a causar uma pequena hemorragia.

Uma outra dentista foi chamada e percebeu que o colega havia feito feito algo errado e que aquele sangramento não era normal”, explica a mãe de Maria Clara.

Segundo ela, ao mexer em um outro dente, a endodontista, que atende na clínica, teria dito ao colega: cuidado, não vá cometer o mesmo erro daquele dia.

“Ele fechou o dente com algum problema (não entendo acerca dessa parte técnica, pois sou jornalista e não dentista). O fato é que alguns dias depois o rosto da minha filha começou a inchar, muito, muito mesmo. Ela voltou à clínica. Uma nova dentista ficou chocada com o “estrago” e abriu o dente, na tentativa de drenar”, explicou Flávia no Facebook.

Na última terça-feira (22), Maria Clara retornou à clínica, em busca de ajuda.

Ela contou que estava com muita dor e com o rosto muito inchado.

Na ocasião, quatro dentistas se reuniram e disseram à jovem que não podiam fazer nada.

Maria Clara pediu então que o dentista que havia atendido ela fosse chamado.

Ele, porém, segundo ela, se recusou a ir até a sala em que estava.

Diante da negativa, as demais dentistas mandaram que Maria Clara procurasse uma Unidade de Saúde da Família (UPA) para tomar uma Benzetacil, injeção indicada no tratamento de infecções causadas por microrganismos sensíveis à penicilina.

“Levei ela a um hospital particular e o médico que a atendeu entrou imediatamente com antibiótico via intravenosa. Tive que contratar um bucomaxilo para acompanhar o caso, visto que se tratava de uma infecção devido a problemas no dente”, explica a mãe.

Ela conta que o médico disse que se tratava de um quadro infeccioso grave, que poderia evoluir muito rapidamente, podendo até mesmo gerar a internação de Maria Clara na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

Maria Clara permaneceu quatro dias internada, tomando antibióticos, motivo pelo qual teve que parar de amamentar seu filho, um bebê de cinco meses.

“O dr me ligou na quinta-feira, de um número restrito, perguntando se ela já tinha tido alta. Ele disse que entraria em contato com o bucomaxilo que estava fazendo o atendimento da minha filha, mas não ligou”, afirma Flávia.

“A clínica foi procurada e negou atendimento, sempre com muita prepotência por parte dos pseudo profissionais que ali trabalham. Nenhum deles acompanhou o caso. Ninguém se dispôs a sequer pedir desculpas, quanto mais a arcar com os custos que tivemos”, desabafa a mãe de Maria Clara.

Outro lado

O gerente da Clínica afirmou que a culpada pelo problema foi a paciente, que faltou a consultas posteriores. Questionado sobre o dentista que atendeu Maria Clara, o responsável afirmou que o profissional trabalha há cerca de três meses na clínica e que é um absurdo colocar em xeque o nome do dentista, que tem “uma carteira de cerca de 350 pacientes”.“Ele atende em média 40 pacientes todos os dias”, diz o gerente.  Com RepórterMT.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *