https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/06/4689328014_d93d0aa107_b.jpg

POTENCIAL BRITÂNICO

Lewis Hamilton caminha para fazer história na F1

Reprodução

Presente na Fórmula 1 desde 2007, Lewis Hamilton já é um veterano com 12 anos de carreira na maior categoria de automobilismo do mundo. Campeão logo na sua segunda temporada, desde cedo já era visível o potencial do britânico.

Com apenas 34 anos, em 2016 Hamilton busca um feito que apenas Michael Schumacher conseguiu: hexacampeonato da Fórmula 1. Campeão em quatro das últimas cinco temporadas (apenas Nico Rosberg quebrou a hegemonia em 2016), o britânico começou este ano com tudo.

Com 17 pontos de vantagem sobre Valtteri Bottas, segundo colocado na briga pelo título mundial de pilotos, Lewis Hamilton venceu quatro das seis primeiras provas da atual temporada e caminha para conquistar o hexacampeonato da categoria mais popular do automobilismo. Não à toa, site de apostas em Fórmula1 como Betway, por exemplo, dão ao piloto britânico extremo favoritismo na corrida pelo troféu de campeão.

Caso Hamilton concretize o título da atual temporada, ele desempatará em número de títulos com o argentino Juan Manuel Fangio. Ambos contam com cinco conquistas e o alemão Schumacher está sozinho na liderança com sete títulos.

Em ótima fase

Hamilton, que trabalhava com a lenda Nikki Lauda na Mercedes, venceu as últimas duas etapas (Espanha e Mônaco, respectivamente) e a excelente fase do piloto resulta em fatos espetaculares.

Dos 150 pontos disponíveis até agora, Hamilton perdeu apenas 13 deles. O aproveitamento só não é melhor pelo fato de que ele ficou em segundo nas corridas na Austrália e no Azerbaijão, respectivamente, quando Bottas ganhou.

A excelente fase de Hamilton, fã de Ayrton Senna, faz com que o reconhecimento seja ainda maior de sua carreira brilhante e ainda em construção. Gerhard Berger, ex-companheiro de equipe de Senna entre 1990 a 1992, admira profundamente o trabalho do britânico.

“Todo mundo sempre me pergunta como eu via tal piloto contra o Ayrton, e sempre, em todos estes anos, disse que nunca vi alguém próximo ao Ayrton. Mas o Lewis é o primeiro que coloco no mesmo nível dele. O cara é incrivelmente rápido, comete menos erros que os outros”, afirmou o austríaco.

Dominância total da Mercedes

A construtora alemã já acumula 257 pontos na atual temporada, uma diferença absurda de 139 em relação à Ferrari (segunda colocada).

O recorde de pontos no ranking de construtoras pertence ao próprio time da Mercedes, quando em 2016 Rosberg e Hamilton computaram incríveis 765 pontos. Naquele ano, a temporada contou com 21 corridas, assim como agora, e eles tiveram média de 36,4 pontos por etapa.

Após as seis primeiras corridas do ano, a Mercedes está com média de 42,8 pontos por etapa, ou seja, consideravelmente acima do que a construtora conseguiu há três anos. Claro que é complicado manter toda essa dominância ao longo da temporada completa, no entanto, mostra como a Mercedes da atual temporada caminha a passos largos para fazer história.

Hamilton em busca de outros recordes

Em sua ilustra carreira, Schumacher venceu 91 corridas. Hamilton já está com 77 triunfos, ou seja, são 14 atrás. “Pessoalmente, não ligo para vencer sete ou mais títulos”, disse Hamilton após vencer em Cingapura em 2017. “Não sei o que os outros pilotos acham, mas acredito que é mais empolgante correr atrás do recorde de vitórias”, confirmou o atual campeão.

Hamilton já disputou 235 corridas na carreira. Suas 77 conquistas dão uma média de uma vitória a cada três etapas. Isso significa que, seguindo a lógica de sua trajetória, ele precisará de 42 corridas para empatar a marca do alemão.

No entanto, é possível ser um pouco mais otimista do que isso. Nos últimos quatro títulos de Hamilton (2014, 2015, 2017 e 2019), em todas as temporadas ele venceu pelo menos nove corridas. Nessa sequência espetacular, a média foi de 10 triunfos por ano.

Já foram quatro vitórias só em 2019 e restam 15 etapas pela frente. Isso significa que, segundo o padrão recente de Hamilton, ele vencerá pelo menos mais seis vezes. Ou seja, a expectativa otimista é que o britânico tenha pelo menos 83 vitórias no fim da atual temporada.

Caso Hamilton realmente confirme essa projeção, ele ficará só oito vitórias atrás de Schumacher — recorde que possivelmente terá a chance de quebra logo em 2020.

Ao que tudo indica, Hamilton está mais próximo de ultrapassar Schumacher em vitórias do que essencialmente vencer pelo menos sete campeonatos.

O fato é que ele já está consolidado como um dos maiores pilotos de todos os tempos e seus feitos comprovam isso. Com provavelmente muito tempo de carreira pela frente, pode ser questão de tempo até que ele alcance marcas jamais atingidas na história da categoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais