https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/07/fiemt-1.jpg

MT SEM GÁS

Presidente da Fiemt defende estratégia para pôr fim na escassez do gás natural

Reprodução

Presidente da Federação da Industrias no Estado do Mato Grosso (Fiemt), Gustavo de Oliveira, defendeu o diálogo entre o Estado e Bolívia para que sejam resolvidas os problemas com fornecimento de gás natural em Mato Grosso.

Em entrevista ao Mato Grosso Mais, o gestor avaliou para que existisse uma resolução eficiente seria necessário que o Estado também projetasse uma estratégia de distribuição.

“É preciso conversar bem com a Bolívia para garantir o fornecimento de gás para Mato Grosso. Isso parece estar encaminhado graças as articulações do governo com a Petrobras e o governo federal. A partir daí, desenvolver um modelo de comercialização desse gás para as indústrias, taxistas, automóveis e até para o usuário doméstico [possa utilizar]”, explicou.

Oliveira destaca que o modelo de fornecimento onde a estatal fica responsável por atender a população já é utilizado em Campo Grande (MS).

“Sem organizar essa comercialização e uma garantia de fornecimento não adianta falar em gás porque a gente vai estar sempre sofrendo com isso”, complementou.

No final de junho, o governador Mauro Mendes (DEM) recebeu representantes bolivianos para tratar sobre a possibilidade da construção de uma sociedade entre as empresas estatais Companhia Mato-Grossense de Gás (MT Gás) e Yacimientos Petroliferos Fiscales Bolivianos (YPFB), para fornecimento de gás natural.

No entanto, na ocasião, o chefe do Executivo destacou que a parceria entre dois governos de países diferentes não era tão simples, e por isso, seria criado um grupo de trabalho com representantes do governo da Bolívia com o governo de Mato Grosso para discutir premissas da sociedade.

“É uma iniciativa muito boa do governo convidar os bolivianos para que eles possam participar também dessa etapa de comercialização de gás porque dai eles também teria o interesse econômico muito maior do que vender o gás lá onde ele é produzido. Eles vão participar do lucro da venda do gás aqui no Estado e ai todo mundo ganha”, finalizou Oliveira.

Veja vídeo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 15 de julho de 2019 às 07:54:23
  • 15 de julho de 2019 às 07:52:02