https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2018/11/9cfc4e4aa6ba74d90cac16750f83a996.jpg

MAIS CHUMBO GROSSO

Cabo Gerson prestará depoimento bomba hoje (17)

Alair Ribeiro

O cabo Gerson Luiz Ferreira Corrêa prestará depoimento nesta quarta-feira (17) ao juiz da 11ª Vara Criminal Especializada em Justiça Militar, Marcos Faleiros. O pedido foi protocolado no Tribunal de Justiça em março deste ano. A expectativa é que o interrogatório traga novos acontecimentos da polêmica envolvendo interceptações telefônicas ilegais em Mato Groso, a “Grampolândia Pantaneira”.

Já foram ouvidos os ex-comandante da Polícia Militar de Mato Grosso (PM-MT), coronel Zaqueu Barbosa e o coronel Evandro Alexandre Ferraz Lesco, na tarde desta terça-feira (16).

O Ministério Público Estadual (MPE) pediu a condenação do cabo Gerson por falsificação de documento público e falsidade ideológica, cuja pena pode chegar até 18 anos de prisão. Já Evandro Lesco foi solicitada a condenação pelo crime de realização de operação militar sem ordem superior, que prevê de 3 a 5 anos de prisão.

Depoimento Lesco

Ele revelou que durante o governo de Pedro Taques (PSDB) recebeu ordens do então chefe da Casa Civil, Paulo Taques, primo do governador, para que o vice-governador, Carlos Fávaro (PSD), fosse grampeado. De acordo com o depoimento de Lesco, o objetivo de Taques, governador, seria checar a movimentação política do vice.

Evandro Lesco, que foi chefe da Casa Militar, descreveu como foi o momento para tentar grampear o desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Orlando de Almeida Perri, que é relator do processo da Grampolândia Pantaneira.

 “São fatos que nunca trouxe à lume, nunca revelei e uso dessa oportunidade pra fazer”, disse Lesco.

Depoimento Zaqueu 

O ex-comandante da Polícia Militar de Mato Grosso, coronel PM Zaqueu Barbosa, revelou todos os detalhes de como começou a operar a chamada “Grampolândia Pantaneira” em Mato Grosso.

Zaqueu é reú na ação das escutas ilegais e disse que elas começaram a serem operadas no período eleitoral de 2014, quando Pedro Taques (PSDB), então senador da República, foi candidato ao Governo do Estado. Naquela época, Taques enfrentaria Lúdio Cabral (PT), José Geraldo Riva (PSD), entre outros candidatos.

José Riva, que era deputado estadual, acabou tendo a candidatura cassada, no seu lugar entrou a esposa, Janete Riva (PSD). Para dar início às escutas ilegais, Zaqueu Barbosa relatou que ele foi procurado, em sua casa, pelo próprio Pedro Taques, sendo este acompanhado do primo, Paulo Taques, mais tarde secretário da Casa Civil.

Os grampos

Reportagem do programa “Fantástico”, da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio de 2017 que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crime.

A matéria destacou como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (MDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”.

Os grampos foram conseguidos na modalidade “barriga de aluguel”, quando investigadores solicitam à Justiça acesso aos telefonemas de determinadas pessoas envolvidas em crimes e no meio dos nomes inserem contatos de não investigados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 18 de julho de 2019 às 15:03:59
  • 17 de julho de 2019 às 11:36:10