https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2018/09/2707000ff560b549dc4cebc4100570d8.jpg

ESCUTAS ILEGAIS

Cabo investigou ameaça de morte contra Selma com relatório fantasioso

Marcus Mesquita

O cabo Gerson Luiz Ferreira Corrêa prestou depoimento, nesta quarta-feira (17), ao juiz da 11ª Vara Criminal Especializada em Justiça Militar, Marcos Faleiros.

O pedido foi protocolado no Tribunal de Justiça em março deste ano. Além do cabo, o ex-comandante da Polícia Militar de Mato Grosso (PM-MT), coronel Zaqueu Barbosa, e o ex-chefe da Casa Militar, coronel Evandro Alexandre Ferraz Lesco, já foram ouvidos.

Em seu depoimento, o cabo Gérson Corrêa falou sobre uma investigação para dar suporte a uma suposta ameaça à integridade física da ex-juíza Selma Arruda, hoje senadora da República pelo PSL. O Ministério Público do Estado não fez nenhuma investigação, disse o cabo.

O militar disse que a então juíza procurou o Gaeco para levar ao conhecimento dos promotores o fato de que ela estaria sendo ameaçada de morte.

O cabo comentou que fez um minucioso relatório, mas fantasioso que teria buscado narrar elementos que pudessem subsidiar a peça para realizar uma interceptação telefônica.

Gérson citou que no relatório citou jornalistas, o ex-governador Silval Barbosa , o irmão dele, um empresário, entre outras pessoas.

Segundo o militar, não foi colhido nenhuma conversa que pudesse revelar alguma ameaça, mesmo assim, as investigações foram mantidas por mais um período, sem, no entanto, ter nenhum elemento. “Essa foi a típica barriga de aluguel realizada pelo Gaeco”.

Em uma entrevista dada ao site O Livre, Selma Arruda comentou o depoimento do cabo Gérson.

“Não acredito em nada do que esse cabo fala. Ele já mudou o depoimento por várias vezes, parece estar sendo direcionado por alguém”, declarou a senadora.

“Eu ainda não sei muito sobre isso, mas, à época, recebi notícias sobre uma trama para me matar e, então, relatei ao Gaeco. O procedimento de investigação correu na 7ª Vara Criminal, mas, como eu era vítima, não atuei nele”.

Em entrevista à imprensa, ontem, o promotor de Justiça Vinícius Ghayva, que acompanhou o reinterrogatório durante esses dois dias, disse que todos os fatos narrados pelos militares, no depoimento à 11ª Vara da Justiça Militar, que citam membros do MPE, serão investigados pelo órgão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 18 de julho de 2019 às 17:28:46
  • 18 de julho de 2019 às 17:26:43