https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/08/MULHER-DESAPARECIDA-HA-10-ANOS.jpg

MORTA EM OFICINA

Mulher e funcionários de mecânico são presos por envolvimento em homicídio ocorrido há 10 anos

Rogério Florentino/Olhar Direto

A esposa e quatro funcionários do mecânico Josué Pires de Camargo, 56 anos, apelidado de Zuel, foram presos por envolvimento no homicídio e ocultação de cadáver de Alessandra de Alcântara Polmann, 33 anos, que desapareceu em 31 de outubro de 2009, em Cuiabá.

Ela teria sido morta com pelo menos nove facadas na oficina do suspeito, Josué Pires. Ele está preso desde o dia 25 julho deste ano e é apontado nas investigações da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), como principal autor do assassinato.

Entre os novos presos está Rosinete de Souza, 52 anos, mulher de Josué  Pires de Camargo. Os demais suspeitos são Mamedes Gonçalves Pinheiro, 48 (Fernandinho), Edemilson Fernando Camargo, 53, (Fernandão), Willian Domingos da Silva, 64 anos, e Marinaldo Silva Santos, 48. Estes eram funcionários da oficina mecânica do suspeito. Os mandados foram cumpridos na quinta-feira (22).

Segundo informações da Polícia Civil, todos foram presos em cumprimento a mandados de prisões temporárias (pelo prazo de 30 dias) expedidos pela Comarca de Cuiabá. Também se deu cumprimento à prorrogação da prisão temporária de Josué Pires Camargo, por mais 30 dias.

De acordo com o delegado Caio Fernando Álvares de Albuquerqe, o conjunto probatório é firme em apontar que o casal, Josué Pires de Camargo e Rosinete de Souza, tiveram direto envolvimento na morte de Alessandra e na ocultação de seu corpo.

“Demais disso, há indícios firmes de que os funcionários acima mencionados participaram de alguma forma, isso por conta das inúmeras contradições em seus depoimentos, aliado à incansável postura dos patrões em que os empregados, de forma alguma, fossem descobertos pela polícia, ou, se fossem, que relatassem exatamente o que ficasse previamente combinado”, explicou o delegado.

Durante interrogatórios, os suspeitos preferiram manter a versão de que “nada sabem, nada viram, de maneira a fugir da responsabilização criminal, bem como proteger os patrões, Josué e Rosinete”, informa o delegado.

Mantiveram, também, a mesma retórica do casal. Em novo interrogatório, Josué nada mais pronunciou, reservando-se no direito de falar apenas em juízo.

Depois de interrogados, os presos seguiram para audiência de custódia.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *