https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2018/10/258602df0426b921be68aa8a2d3230b1-e1541009399934.jpg

CASSAÇÃO DE SELMA ARRUDA

Vice de Taques diz que é candidato ao Senado se Tribunal Superior Eleitoral decidir por nova eleição

Marcus Vaillant/João Vieira

O ex-vice-governador de Mato Grosso, Carlos Fávaro (PSD), disse, em entrevista ao Bom Dia Mato Grosso, da TV Centro América, nesta sexta-feira (13), que será candidato ao Senado caso o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mantenha a cassação de Selma Arruda (PSL), determinando eleição para a vacância do cargo de forma imediata.

Nas eleições de 2018, Fávaro, que hoje ocupa o cargo de chefe do Escritório de Representação do Estado, em Brasília, na gestão do governador Mauro Mendes (DEM), foi candidato ao Senado Federal, mas acabou ficando atrás de Jayme Campos (DEM), na terceira colocação.

Esta semana, a procuradora-geral Eleitoral, Raquel Dodge, encaminhou parecer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) onde se manifestou pela execução imediata da decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE/MT) que, por unanimidade, cassou o diploma da senadora Selma Arruda (PSL) e dos seus dois suplentes, e determinou a realização de novas eleições para o Senado em Mato Grosso.

A procuradora do Ministério Público Federal  defendeu ainda a confirmação da pena de inelegibilidade por período de oito anos.

A cassação no TRE de Mato Grosso ocorreu após investigações contra Selma Arruda por suposto caixa dois, de R$ 1,2 milhão.

Segundo a quebra de sigilo, os valores, que foram gastos por Selma, em sua campanha, foram transferidos por seu primeiro suplente, Gilberto Possamai.

A ex-juíza ficou conhecida no Estado após mandar prender tubarões da política de Mato Grosso, como o ex-presidente da Assembleia Legislativa, ex-deputado José Riva, e o ex-governador Silval Barbosa, além de outros políticos e empresários de peso.

Ela foi eleita com quase 680 mil votos, declarando ter bens no valor de R$ 1,4 milhão.

Em recurso, a ex-juíza e os seus suplentes querem anular o acórdão do TRE/MT em razão de supostas irregularidades de natureza processual. O objetivo da senadora é de, no mérito, reformar a conclusão a que chegou a Corte Regional, afastando todas as sanções que ali foram arbitradas.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 13 de setembro de 2019 às 19:39:22
  • 13 de setembro de 2019 às 19:37:51