https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/10/WhatsApp-Image-2019-05-31-at-10.56.17.jpeg

LEGADO DA COPA

Emanuelzinho diz que VLT está rasgando a cidade e cobra transparência nos gastos

Rogério Florentino/OD

Deputado federal e filho do prefeito de Cuiabá, Emanuel Neto (PTB), o Emanuelzinho, criticou a falta de transparência sobre os montante real que precisa ser gasto para conclusão do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Segundo ele, as obras estão “rasgando a cidade no meio” e já viraram motivo de vergonha para capital.

“O VLT é um problema que vem se alastrando já desde antes da Copa do Mundo de 2014 e tá rasgando Cuiabá e Várzea Grande no meio, aqueles trilhos que passam pelo canteiro central é uma vergonha. As pessoas de fora que vêm, sempre reparam e falam disso, que está rasgando a cidade, que está deixando a cidade feia”, disse.

Durante a entrevista ao Mato Grosso Mais, o parlamentar frisou que está se articulando junta à bancada federal de Mato Grosso para a criação de uma Comissão Externa na Câmara dos Deputados para que a população saiba o que já foi gasto e quanto ainda precisa gastar de forma mais transparente.

“A gente sabe também que o Governo Federal pode ajudar a terminar o VLT e quer ser essa ponte, esse meio para auxiliar o governador Mauro Mendes (DEM). A gente sabe que é poder do executivo fazer o VLT, mas a gente não pode ficar olhando, os trilhos largados, os modais largados, os vagões largados e não fazer nada”, complementou.

Uma comissão também foi montada pela Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana, do Ministério de Desenvolvimento Regional, em parceria com o Estado de Mato Grosso, para apresentar uma solução para o imbróglio que já deveria está operando em Cuiabá e Várzea Grande há mais de 5 anos.

O modal começou a ser construído em 2012 pelo consórcio VLT, com um custo inicial de R$ 1,4 bilhão.

O prazo de entrega era 13 de março de 2014, para facilitar a mobilidade dos turistas durante a Copa do Mundo de 2014, já que Cuiabá foi uma das sedes do mundial, contudo desde então, o modal vem sofrendo uma série de judicializações e obras paradas.

Veja vídeo:

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 7 de outubro de 2019 às 14:14:46
  • 7 de outubro de 2019 às 13:17:20