https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/10/470fefff034756f9666432f42e886ab6.jpg

ESCUTAS TELEFÔNICAS

MPE diz que cabo da PM mentiu para conseguir delação premiada

João Vieira

O corregedor-geral adjunto do Ministério Público Estadual (MPE-MT), João Augusto Veras Gadelha, afirmou que o cabo PM Gerson Corrêa “misturou verdade com fantasia”, sobre o caso das placas de escutas telefônicas, cedidas pelo Ministério Público Estadual (MPE) à Secretária de Segurança Pública (Sesp), em 2010.

De acordo com Gadelha, o PM mesclou o fato de realmente a placa ter sido entregue a Sesp em 2010 e depois ter sido repassado ao escritório de interceptação.

“Eles mesclaram a verdade com fantasia para dar a credibilidade a versão dele apresentada no intuito de conseguir uma delação premiada no Naco, que foi rejeitado”, disse

Ainda segundo o corregedor-geral, na época do ocorrido, o cabo Gerson era lotado no Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), quando Paulo Prado, então procurador de justiça, solicitou os equipamentos para elaborar o termo de cessão.

Gadelha afirmou que as placas foram entregues à ele, porém a assinatura do documento foi feita pelo então procurador-geral de Justiça Marcelo Ferra de Carvalho, pois não era da competência de Paulo Prado.

“Foi entregue para fazer o termo de cessão para a Secretaria [de Segurança Segurança Pública], essa é a verdade. E não entregue o fantasioso, o que não espelha a realidade de foi entregue diretamente para o escritório de interceptação”, explicou.

Veja o vídeo 

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 7 de outubro de 2019 às 18:21:50