https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/09/lucio-bolonha-funaro-corretor-de-cambio-tido-como-operador-de-eduardo-cunha-1452502287711_1920x1280.jpg

DEU NA ÉPOCA

Delator da Lava Jato e ex-presidente da ALMT viram "sócios" em negócios de pedras preciosas

Lula Marques

A revista Época, em seu portal eletrônico, neste domingo (3), traz nota de que o doleiro Lúcio Funaro, delator na Operação Lava Jato, voltou a trabalhar, desta vez, com pedras preciosas, sendo um dos seus sócios o ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, o ex-deputado estadual José Geraldo Riva, conhecido nacionalmente pelo predicado de ser o “maior ficha suja do Brasil”. A nota é da coluna do jornalista Guilherme Amado.

Lúcio Funaro foi preso em 2016, apontado como suposto operador de propinas e desvios na CEF e em fundos de pensão. Em 2017, ele firmou acordo de delação premiada em que delatou a mais alta cúpula do MDB, que inclui até o ex-presidente Michel Temer, de acordo com a revista Veja.

Em setembro passado, o doleiro acabou sendo protagonista de um mal-estar provocado entre deputados que compõe a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Incentivos Fiscais da Assembleia Legislativa.

Funaro foi convidado para depor na CPI, mas o seu depoimento acabou sendo a portas fechadas, sem presença da imprensa.

Antes de decidir se a sessão seria conduzida de forma secreta, o deputado estadual Wilson Santos (PSDB), presidente da CPI, fez uma votação e por 3 votos a 1, os membros decidiram impedir os jornalistas de acompanharem o depoimento. Wilson Santos foi o voto contrário.

O motivo de transformar a sessão sob sigilo seria para garantir a segurança jurídica do depoimento de Funaro. O pedido teria partido da Procuradoria da Casa de Leis.

Funaro veio a Mato Grosso para prestar esclarecimentos em relação a fraudes em ICMS no Estado, reveladas por ele durante a CPI do BNDES na Câmara dos Deputados.

De acordo com as declarações do doleiro, a fraude no tributo em Mato Grosso estaria vinculada ao pagamento de propina a agentes políticos para favorecimento de um empresário de Várzea Grande. Este seria o suposto responsável pelas articulações que favoreceram o Grupo J&F.

A vinda de Funaro ao Estado se deu após a aprovação de um requerimento de autoria do presidente da comissão, deputado estadual Wilson Santos (PSDB).

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 4 de novembro de 2019 às 12:12:25
  • 4 de novembro de 2019 às 09:56:40