https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/10/33054_0_gr.jpg

APÓS DECISÃO DO STF

Principal líder do PT de MT, Ludio diz que soltura de Lula ainda não significa "Justiça"

Assessoria

Uma das principais lideranças do PT em Mato Grosso, o deputado estadual Ludio Cabral (PT), comentou ao Mato Grosso Mais a decisão da Justiça Federal do Paraná em determinar a soltura imediata do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva após pedido feito pelos advogados do petista.

A decisão de soltar Lula é em virtude do julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que decidiu, nesta quinta-feira (7), por 6 votos a 5, derrubar a possibilidade de prisão de condenados em segunda instância, somente quando a ação transitar em julgado, ou seja, quando não couber mais recurso por parte da defesa.

“A liberdade de Lula é consequência da decisão de ontem do STF, e é mais um passo para restabelecer o estado democrático de direito no país. Mas a justiça só terá sido feita para o presidente Lula quando Sérgio Moro for declarado suspeito e as sentenças forem anuladas, e Lula conseguir retomar seus direitos políticos”, disse o parlamentar.

O presidente do PT de Mato Grosso, deputado estadual Valdir Barranco (PT), também comentou a decisão da Justiça.

“Finalmente, se fez justiça e nosso companheiro Lula está livre como sempre deveria estar. A farsa da Lava Jato que o levou injustamente pra cadeia está e continuará sendo revelada. Juntos com #Lula continuarmos construindo um país com democracia e justiça social”, disse Valdir Barranco.

Lula está preso desde abril de 2018, na superintendência da Polícia Federal, em Curitiba,  após ser condenado pelo juiz Sérgio Moro, em 2017, condenação mantida pelo TRF, em 2018, e aumentada em 12 anos e 1 mês. A condenação foi em decorrência do caso do triplex do Guarajá, que teria sido como pagamento de propina pela empreiteira OAS.

Os ministros que votaram a favor da condenação em última instância entenderam que ninguém pode ser considerado culpado até o trânsito em julgado.

O voto de desempate foi dado pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli, o último a se manifestar.

Quem votou contra – Dias Toffoli, Celso de Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Rosa Weber, Marco Aurélio.

Quem votou a favor – Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Cármen Lúcia.

Ainda nesta quinta-feira, os advogados anunciaram, no instagram do ex-presidente, que fariam o pedido para soltura do ex-presidente.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 8 de novembro de 2019 às 17:44:07