https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/08/12-Júri.jpg

CASO ELISÂNGELA

Acusado de estuprar e matar estudante de 11 anos senta no banco dos réus após 25 anos

Reprodução

No dia 18 de dezembro, a partir das 9 horas, Carlos José de Oliveira, 57, vulgo Casé, será julgado pelo homicídio qualificado de Elisângela Rondon Pereira.

A vítima tinha 11 anos de idade quando foi estuprada e morta, no dia 21 de outubro de 1994, na Estrada do Aricá, em Cuiabá, onde ficava a chácara do réu.

O caso teve grande repercussão na época e ficou 15 anos sem elucidação por parte da Polícia Civil.

Consta nos autos que nos dias que antecederam o assassinato, o denunciado Casé passou a manter contato com a menina ao lhe oferecer uma bolsa em um curso de inglês.

Empolgada com a oferta, a vítima pediu autorização da mãe, que recusou a proposta.

No dia do crime, uma sexta-feira, como de costume, a vítima foi para a escola de datilografia “Olivetti”, que ficava na região central de Cuiabá.

Ao sair da aula, ficou na Praça Santos Dumont, na Avenida Getúlio Vargas, esperando o irmão mais velho, Manoel, a quem convidou para ir até a escola de inglês para conversar novamente com o denunciado.

Estudiosa, acreditava que, se um dos irmãos pudesse fazer o curso com ela, a mãe aceitaria a oferta da bolsa feita por Carlos José.

Manoel se atrasou 30 minutos e, quando chegou ao local, não mais encontrou a irmã, cujo corpo só foi localizado 3 dias depois, nua, com um galho introduzido na vagina e o punho cortado.

Meninos de rua viram a vítima entrando no carro de Casé, que tinha 32 anos de idade, na época. A defesa dele é patrocinada pelo advogado Ricardo Spinelli.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 10 de dezembro de 2019 às 20:14:27
  • 10 de dezembro de 2019 às 18:59:16