https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/12/whatsapp-image-2019-12-27-at-19.00.05-1-.jpeg

"BOTEQUIM DE ESQUINA"

CEO do Cruzeiro revela detalhes de plano de gestão ignorado

TV Globo

Ainda nos primeiros meses da gestão encabeçada pelo ex-presidente Wagner Pires de Sá, o Cruzeiro se reuniu e contratou os serviços da empresa Ernest & Young, referência em consultoria empresarial. Como o próprio site da multinacional diz, a especialidade é “resolver problemas complexos”. Um relatório que superava 200 páginas foi montado, mas, segundo o atual CEO da Raposa, Vittorio Medioli, as 515 medidas alertadas no “Plano Integrado de Gestão”, em maio de 2018, foram ignoradas e viraram peso para gavetas.

Em entrevista ao GloboEsporte.com logo após mais uma das longas reuniões do núcleo dirigente transitório que assumiu o comando do Cruzeiro, o vice-presidente deste grupo, e também diretor-executivo (CEO), detalhou, dedilhando as páginas, alguns pontos do documento da Ernest & Young, que diagnosticava uma administração que o prefeito de Betim classificou como “feito um botequim da esquina”.

– Aqui temos um estudo, inclusive, de 2018, que sinalizava tudo isso (problemas gerenciais). Estudo de 200 e tantas páginas. Chamamos quem fez o estudo, que é a Ernest & Young. Apontava mais de 515 recomendações de mudanças no esquema interno. De compliance, aqui não tinha sistema de compra, de contratação. Aqui era feito como um botequim da esquina, me desculpe. E deu no que deu.

“Ele (relatório) mostrava que o Cruzeiro gastava demais em algumas coisas, não gastava onde deveria. Tudo desequilibrado” – Vittorio Medioli.

Entre os detalhes apresentados no relatório de gestão, Medioli revela que a Ernest & Young alertou para discrepância na política salarial dentro do Cruzeiro. Em um mesmo nível de hierarquia, funcionários recebiam “dez níveis diferentes de salário”. O atual comandante da Raposa ainda revela uma denúncia do documento: “Tinha casos de nepotismo aqui dentro”.

– Esse estudo mostra que não havia regra para comprar, pagar, vender. Determinar salários. No mesmo cargo há salários de R$ 10 mil e R$ 60 mil. Na mesma função há dez níveis salariais. Não há uma gestão. E aqui, inclusive, esse problema vem se arrastando há anos. Não é de hoje, não é dessa última gestão. São várias gestões que foram concedendo. O sujeito assinava e mandava pagar. O outro não assina. Ah, esse é meu amigo… Tinha casos de nepotismo aqui dentro. E outras coisas que já foram varridas aqui de dentro pelas pessoas que saíram.

“Para cada cargo, havia uma avaliação subjetiva. Não havia política de salário. Para os amigos, era tudo. Para os inimigos, não ia nada” – Medioli.

Vittorio Medioli, CEO do Cruzeiro, com "Plano de Gestão" ignorado por antiga diretoria — Foto: Reprodução/TV Globo
Vittorio Medioli, CEO do Cruzeiro, com “Plano de Gestão” ignorado por antiga diretoria — Foto: Reprodução/TV Globo

Venda de atletas da base
– Venda de atletas: Cruzeiro arrecadou em 2017, em jogadores da base, R$ 2 milhões. O São Paulo: R$ 120 milhões. Agora, aqui compara com Santos, São Paulo, Grêmio, Internacional, Flamengo e Vasco. É um estudo comparativo para colocar em ordem o que pode ser melhorado. Arrecadação era ridícula. O documento é de 2018, pago pelo Cruzeiro. Mas estava em algumas gavetas por aí.

Cargos “inflacionados”
– Tem treinador de goleiro que ganha cinco vezes mais que o treinador de goleiros do Flamengo. São discrepâncias absurdas. Isso foi feito em um estudo de 2018, que apontava irregularidades. Apontava que estavam pagando demais em determinados cargos.

Arrecadação anual
– E tem a comparação com outros clubes, falando que o Cruzeiro estava fora. Em termos de arrecadação, Flamengo em 2017 arrecadou R$ 649 milhões. O Cruzeiro: R$ 344 milhões. Mas como? Agora, estão canibalizando a receita futura. Está tudo desproporcional.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *