https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2020/01/whatsapp-image-2020-01-04-at-09.33.48.jpeg

"TERRA SEM LEI"

Sem juiz e delegado, polícia diz ter dificuldade para investigar mortes em Colniza

Polícia Civil de Colniza (MT)

Com a falta de efetivo, juiz e delegado, a Polícia Judiciária Civil afirmou que está com dificuldades para investigar o caso dos três jovens assassinados na última de sexta-feira (3), em Colniza (a 1.065 km de Cuiabá).

A diretoria da PJC informou que está tratando com o governo do Estado uma solução para resolver a questão do efetivo, mas que tem buscado atender os municípios, sem deixar de prestar os serviços necessários à população.

Já a Poder Judiciário disse que nesse período de recesso, os casos urgentes são atendidos por juízes plantonistas e reconheceu que atualmente há um déficit de 30 juízes no estado.

Um concurso público deve ser realizado para o preenchimento de nove vagas.

O município de Colniza já foi considerado o mais violento do país em 2007, segundo levantamento do Mapa da Violência.

A região é conhecida pela população por ser uma ‘terra sem lei’. Em 2017, nove pessoas foram assassinadas em uma chacina. No mesmo ano, o prefeito de Colniza também foi assassinado.

Em janeiro de 2019 o município registrou mais um caso violento: nove pessoas foram baleadas na Fazenda Agropecuária Bauru (Magali) em um suposto confronto entre posseiros e seguranças.

Os assassinatos

Segundo a polícia, a suspeita é que os crimes registrados no fim de semana ocorreram em uma suposta disputa pelo controle do tráfico de drogas em Colniza.

Essa é a principal linha de investigação dos policiais. Armas e porções de droga foram encontradas nos dois locais dos assassinatos.

O primeiro crime ocorreu por volta de 18h30 e os demais cerca de uma hora depois. De acordo com a PM, moradores denunciaram que ouviram disparos em uma casa Rua das Mangueiras, no Centro da cidade.

Nesse local os policiais encontraram uma vítima sentado no sofá da sala. Ele havia sido baleado e degolado por criminosos. A polícia encontrou uma pistola na cintura dele. Na cozinha a PM encontrou uma outra vítima. Ele estava caído e apresentava ter sido baleado e esfaqueado.

Uma terceira pessoa havia se trancado no banheiro. Ele estava com um corte no pescoço e foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Em outra casa, também na área central da cidade, foi encontrado o corpo de Júlio Amorim dos Santos, 23 anos.

Vizinhos disseram aos policiais que vários homens chegaram em motocicletas e entraram na residência. Logo em seguida os disparos foram feitos e eles fugiram na sequência.

Uma quarta vítima estava na casa e conseguiu pular o muro pelos fundos. Essa pessoa também teria sido baleada e pediu socorro, no entanto, não foi localizada pela polícia.

Até a manhã desta segunda-feira (6) nenhum suspeito do crime havia sido preso.

Com informações do G1 e TVCA

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 6 de janeiro de 2020 às 19:34:01