https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2020/01/MARCELO-FERRAZ-e1520859292867.jpg

A PEDRADAS

Justiça manda soltar homem que confessou ter matado jornalista

DA REDAÇÃO / MATO GROSSO MAIS
[email protected]

Arquivo Pessoal

O acusado que confessou ter matado o jornalista Marcelo Ferraz, foi solto na tarde dessa terça-feira (7), por determinação do juiz 12ª Vara Criminal, Flávio Miraglia. O suspeito Jonh Lennon da Silva, de 21 anos, foi preso no dia seguinte ao crime, registrado no Bairro Bosque da Saúde, em Cuiabá.

O jornalista foi morto a pedradas pelo suspeito, e seu corpo foi encontrado na segunda-feira (30). O exame de necrópsia apontou que Marcelo morreu por traumatismo craniano.

Segundo testemunhas do caso, o suspeito comentou que Marcelo pediu uma porção de pasta base, no valor de R$ 3, mas não tinha dinheiro para pagar.

Conforme a Polícia Militar, Jonh Lennon foi encontrado na região do Bairro Baú e resistiu à abordagem. Ele já é conhecido por flanelinhas e moradores de rua. Ele tem antecedentes criminais por tráfico de drogas, roubo e tentativa de homicídio.

O crime

Marcelo Ferraz desapareceu no dia 28 de setembro. O corpo dele foi encontrado no dia 30 de setembro, em um terreno baldio do Bairro Bosque da Saúde, em Cuiabá.

O jornalista foi morto a pedradas. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou traumatismo craniano como a causa da morte.

Segundo a polícia, de acordo com relatos de testemunhas, no dia do crime, estavam Jhon, a suposta namorada dele e outro morador de rua, na Avenida do CPA. John teria-se afastado por algum tempo e retornado com a vítima.

Ao se aproximar dos outros, teria dito que Marcelo faria uso de drogas com eles. Marcelo, o suspeito e a namorada dele saíram em direção ao local do crime. Entretanto, antes mesmo de chegarem, Jhon se desentendeu com moça e ela deixou os dois.

A hipótese mais provável, segundo o delegado, é que suspeito e vítima tenham feito uso de drogas, porém, ao perceber que Marcelo não tinha como pagar, cometeu o crime.

Após a morte, Jhon teria ido à casa onde alguns moradores de rua costumam se reunir e contado o ocorrido à namorada e a outros que estavam no local.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *