https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2020/02/screencapture-cultura-estadao-br-noticias-televisao-ator-fala-sobre-a-experiencia-de-viver-narcotraficante-el-chapo-em-serie-70003209965-2020-02-27-16_42_27.png

SÉRIE

Ator fala sobre a experiência de viver narcotraficante El Chapo em série

A&E

Após o sucesso de Narcos na TV fechada, o canal A&E volta a apostar em produção da Netflix sobre o narcotráfico.

A série El Chapo narra a ascensão, captura e fuga do narcotraficante mexicano Joaquín “El Chapo” Guzmán.

Com Marco de la O na pele de Guzmán, os 9 episódios da 1.ª temporada narram a entrada de Guzmán no cartel de Sinaloa.

Já a 2.ª temporada, de 12 capítulos, começa com a fuga pirotécnica de El Chapo, em 2001, da prisão de Puente Grande, cuja ampla cobertura na mídia o alçou ao título de maior traficante de drogas do México.

“É uma versão muito humana”, diz Marco, em encontro com jornalistas da América Latina e o Estado.

Catapultado pelo sucesso do personagem, o mexicano de La O estrelou, em 2019, o mais recente filme da franquia Rambo, Até o Fim, com Sylvester Stallone.

Enquanto viajava divulgando o longa, Marco de La O viu mais uma notícia sobre El Chapo: em 17 de julho, Guzmán foi sentenciado à prisão perpétua por tribunal americano.

El Chapo estreia no A&E em 7 de abril, às 22h. Na sequência, trechos da entrevista com Marco de La O, que fala sobre a construção de um personagem ainda vivo e em atividade entre outras questões.

Qual tem sido o seu desafio como ator ao interpretar um personagem que ainda está vivo e virando manchete de jornal?

Criar um personagem da vida real e que ainda está em atividade é complicado, porque existem pessoas que sabem como ele é. Tivemos de ser cautelosos, nunca conseguimos justificar o que ele fez, mas tivemos de entendê-lo.

O mais complicado foi entender sua humanidade e fazer com que as pessoas acreditassem nele.

Li vários livros sobre ele, mas nenhum me contou como ele andava, falava, então fui à internet olhar as imagens de suas capturas para fazer esse ser humano rir, chorar, andar, como você e eu. O mais complicado foi tentar humanizá-lo.

Além disso, ele é um personagem icônico para o imaginário dos mexicanos…

É um desafio impressionante viver um personagem desse calibre. Não posso dizer que fiz sozinho, estava acompanhado de uma equipe enorme.

A série mostra o que vivemos no dia a dia da América Latina, uma mensagem de protesto que diz: já chega! Faz com que a gente perceba que estamos errados e que não devemos cometer os mesmos erros. Para isso que serve a arte.

Quais as semelhanças e diferenças entre Guzmán e você? 

Ele estudou até o 3.º ano do Ensino Médio, é inteligente e interessante. Posso dizer que muitas coisas são minhas, com a exceção de que não sou traficante. Não justifico o que ele fez.

Como ator, não posso julgá-lo. Criei meu próprio El Chapo. O El Chapo que vocês assistem na TV não é o Guzmán, é o que vendi para o público e o público comprou. É uma versão muito humana, que conquistou as pessoas, então fico em paz.

Por que o público se atrai tanto por esse tipo de personagem? 

Eles são poderosos, são personagens que o público pode odiar ou venerar. Você fica no limite, correndo grande risco. E quanto maior é o desafio, melhor para o ator.

Queríamos fazer uma versão mais popular do que pensávamos ser El Chapo e as pessoas a receberam bem. No final das contas, o público é que faz seus critérios de valor sobre o que é bom ou ruim.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 27 de fevereiro de 2020 às 21:03:51