https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2020/03/20200309_154401_014.jpg

AFASTADO DO TCE

Conselheiro promete cruzada, chama Janot e Taques de "bandidos" e diz não ter medo de delação de Sérgio Ricardo; VÍDEO

Mato Grosso Mais

O conselheiro titular afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Antonio Joaquim, acusou o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o governador de Mato Grosso, à época, Pedro Taques (sem partido), de serem os responsáveis pelo seu afastamento que está perto de completar 30 meses.

“Desde que tudo isso começou eu tive a certeza de que estou sendo punido por ter decidido pleitear uma candidatura ao Governo do Estado. Este é o verdadeiro crime que cometi! Hoje, mais do que nunca, sei que sou vítima de uma trama sórdida e covarde, uma grande farsa, executada por dois bandidos, ex-procuradores do MPF, o então procurador-geral Rodrigo Janot e o Sr. Pedro Taques, desencadeada com o único objetivo de impedir a minha presença no processo eleitoral de 2018”.

A fala foi feita nesta segunda-feira (9), em coletiva de imprensa, no escritório do advogado José Antonio Rosa.

O conselheiro está afastado de suas funções desde o dia 14 de setembro de 2017, após a deflagração da Operação Malbolge feita, com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF).

Antonio Joaquim é citado na delação do ex-governador Silval Barbosa (sem partido) de ter recebido propina, juntamente com outros quatro conselheiros titulares afastados, no valor de R$ 53 milhões, para fazer vista grossa do Programa MT Integrado. Ele também é citado por vender uma fazenda ao empresário Wanderlei Torres, dono da Trimec, que tinha como sócio oculto o próprio Silval.

Antonio Joaquim nega que tenha cometido crimes citados pelo ex-chefe do executivo estadual.

Ele disse que, até hoje, não foi ouvido pelo STF, pelo Superior Tribunal de Justiça ou pela Polícia Federal.

Ainda nesta semana, o conselheiro deve ir a Brasília para entrar com recurso no STJ para tentar retornar ao cargo.

Na coletiva, ele disse que está lançando uma espécie de cruzada para proteger sua reputação e que também não tem medo do que pode conter a delação do conselheiro Sérgio Ricardo.

Segundo Antonio Joaquim, o que existe, de fato, no inquérito contra ele:

A afirmação do Silval Barbosa de que teria se reunido com um colega para tratar de uma suposta propina e que esse colega teria dito que iria me dar uma parte. Nunca disse que esteve reunido comigo uma vez sequer para tratar desse assunto.

A fala de Silval de que era sócio oculto de uma propriedade que eu vendi em 2012 (a delação foi feita 5 anos depois, em 2017) para a empresa Trimec, de propriedade do Sr. Wanderlei Torres.

Sobre a citação de envolvimento com a suposta propina:

Não há um indício, uma imagem, um documento, ou seja, não existe um fiapo de prova desse meu envolvimento, a não ser a palavra do delator.

SITUAÇÃO DO INQUÉRITO ATÉ HOJE:

Somente 2 depoimentos:

Silval Barbosa:

– repete a delação

Wanderlei Torres:

– admite a sociedade oculta

– admite o uso de recursos provenientes de propinas

– me inocenta dos 2 eventos citados pelo Silval

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 10 de março de 2020 às 12:24:59
  • 10 de março de 2020 às 11:36:14