https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2020/07/najaz.jpeg

NO DISTRITO FEDERAL

“Incidente revela esquema de tráfico de animais”, diz delegado

A Polícia Civil do Distrito Federal, em coletiva de imprensa na tarde desta sexta-feira (10/7), afirmou que o caso envolvendo o estudante de medicina veterinária picado por uma Naja kaouthi revela um esquema de tráfico de animais silvestres no DF.

Segundo o delegado Willian Ricardo, responsável pelas investigações na 14ª Delegacia de Polícia (Gama), os próximos passos dos agentes serão identificar a rede de comercialização dos animais e saber, de fato, o que ocorreu no dia em que o universitário foi atacado pela cobra.

Durante a manhã, quatro estudantes de medicina veterinária, amigos de Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, acusado de criar a serpente asiática de maneira irregular, foram ouvidos pela PCDF.

Gabriel, o rapaz apontado como responsável por esconder o animal enquanto Pedro era atendido no Hospital Maria Auxiliadora, no Gama, é um deles.

O jovem já foi autuado em R$ 2 mil pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Segundo o delegado, Gabriel não tem colaborado com as investigações e não assumiu ter participado do caso.

Ao Metrópoles, na saída da 14ª Delegacia de Polícia (Gama), Gabriel disse que prefere não se manifestar sobre o assunto.

Tanto ele quanto Pedro já receberam a multa aplicada pelo Ibama, por não terem permissão para manter o animal em ambiente doméstico – a legislação permite apenas espécies não venenosas para esse fim.

“Inicialmente, tínhamos notícias de uma cobra, mas suspeitamos que haveria mais animais e isso se confirmou, quando localizamos mais 16 serpentes no dia seguinte ao incidente“, diz o investigador.

De acordo com Willian Ricardo, pesa sobre o grupo, ainda, a hipótese de que os animais eram usados para pesquisas.

“Eles comercializavam esses animais. Não disseram como conseguiam as serpentes. Há suspeitas de que, possivelmente, eles iam comercializar as cobras apreendidas no Haras”, explica.

Segundo o delegado, não há dúvidas de que o acidente com Pedro revelou um esquema maior de tráfico de animais silvestres na capital do país. “As investigações vão avançar para dizer se esse tráfico era nacional ou internacional”, assinalou o investigador.

ENTENDA O CASO

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *