https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2020/08/2039539-marcos-harter-opengraph_1200-2.jpg

PRAZO ESGOTADO

Marcos Harter já pode voltar a exercer medicina após autorização da Justiça de Mato Grosso

Reprodução

O médico e ex-bbb, Marcos de Oliveira Harter, já pode voltar a exercer sua profissão pelo período de seis meses. O Juiz Federal da 3ª Vara Federal de Mato Grosso, Cesar Augusto Bearsi, suspendeu a medida que restringia Marcos de trabalhar.

A interdição cautelar foi instaurada pelo Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso. Marcos estava proibido de exercer a profissão desde o dia 30 de janeiro deste ano, e vencia dia 30 de julho.

Em sua decisão, o juiz afirmou que o prazo já tinha esgotado “gerando risco de prejuízo grave ao impetrante, que esta afastado parcialmente do exercício da sua profissão e inclusive teria cirurgias marcadas ainda para esta segunda-feira”.

Na decisão proferida pelo juiz, o mesmo afirma que não foi noticiado sobre o aumento do prazo ou sobre a modificação da suspensão, que segundo ele “houve parcial conhecimento de recurso administrativo reduzindo a suspensão para atingir apenas parcialmente as atividades do impetrante, sem afastá-lo por completo da medicina”.

Em sua decisão, o juiz deferiu “Diante do exposto, defiro a liminar, suspendendo o ato coator. O impetrado fica desobrigado de cumprir a liminar caso exista outra decisão administrativa mais nova, não trazida pelos autos”.

No início deste ano Harter chegou a anunciar promoção para mulheres residentes em Santa Catarina que desejavam colocar próteses de silicone nos seios, ao valor inicial de R$ 6.950. De acordo com o Conselho de MT, o médico infringiu o Código de Ética profissional duas vezes, pois além de ele não ter registro para atuar naquele estado, é vedado ao cirurgião a prática de concorrência desleal, o exercício mercantilista da medicina e outros. O CRM de Santa Catarina também foi notificado a abrir sindicância para apurar a conduta de Marcos.

A medida imposta pelo CRM-MT, dizia que o médico estava proibido de realizar qualquer atividade restrita a profissionais médicos, de consulta a procedimento cirúrgico. A medida se estenderia a todo o território nacional e funcionaria como proteção à sociedade.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *