https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2020/08/f1c860363cc0ad19b4dca8a2ad092916.jpg

CAPA DA REVISTA ÉPOCA

Cestari diz que colocou filha “contra a parede” e ela negou intenção

REPRODUÇÃO

O crime que ocorreu no condomínio Alphaville, no dia 12 de junho, em Cuiabá, e resultou na morte de Isabele Guimarães Ramos, de 14 anos, foi capa da revista Época, de edição nacional, nesta semana.

Segundo à revista, Cestari afirma que não acredita que a filha tenha tido a intenção de matar a melhor amiga.

“De todos os meus filhos, ela é a mais próxima. Não existe segredo entre nós. Eu já a pus contra a parede e perguntei olhando em seus olhos se ela havia atirado na amiga. Ela respondeu ‘não’ e eu acredito. Vou com essa verdade até o fim”, afirmou.

A reportagem ainda traz detalhes de como foi o dia da família, no dia em que Isabele foi morta. Desde quando ela acordou, no início da tarde, até o momento em que perdeu a vida.

“No domingo 12 de julho, a estudante Isabele Guimarães Ramos, de 14 anos, acordou às 13 horas. Em vez de almoçar, preferiu tomar café da manhã, o que suscitou uma pequena discussão com a mãe, a empresária Patrícia Guimarães Ramos, de 44 anos”, descreve a matéria.

O texto – que usa apenas nomes fictícios – ainda enfatiza as habilidades da amiga da vítima em manusear uma arma. A jovem era praticante de tiro esportivo e já havia vencido campeonatos locais.

Relata também a chegada do namorado da atiradora à residência portando uma das armas que tiraria a vida de Isabele.

“A arma passou de mão em mão para que todos a experimentassem. Cada membro da família praticou o que os colecionadores chamam de tiro a seco, ou seja, empunharam a arma na sala, miraram a esmo e acionaram o gatilho”, diz trecho.

Durante depoimento, o jovem que levou as armas até o imóvel, disse que a namorada não viu que ele a guardou na maleta carregada.

“Abriu-se outra hipótese de investigação, que até agora foi negada pela adolescente e por seus familiares: a de que Júlia*, sem saber que a arma estava carregada, teria atirado ‘a seco’ na amiga, numa prática frequente entre atiradores – e entre a própria jovem e seus familiares”, sugere a reportagem.

Na noite da tragédia, a adolescente foi guarda a maleta no closet da suíte principal, a mando do pai. Mas no meio do trajeto desviou e foi ao encontro da amiga, que fumava um cigarro eletrônico no banheiro.

Isabele foi atingida com tiro disparado pela arma que a amiga segurava, dentro do banheiro da casa. A bala acertou seu nariz e o tiro foi feito de frente, com a vítima olhando para a pistola, conforme cita a matéria.

Marcelo Cestaria disse estar arrependido de ter entregue a arma para a filha e que foi negligente ao pedir para ela guardar.

“Eu fui negligente ao deixar minha filha levar a arma para o armário do meu quarto”, disse.

Veja Mais

3 comentários em “Cestari diz que colocou filha “contra a parede” e ela negou intenção”

  1. Deborah disse:

    Ja dizia minha querida avó, arma até sem munição o Diabo atenta…
    E hj se souber que tem armas em alguma casa de amigos não deixo meus filhos irem.
    De qualquer forma esta família tem culpa !!!

  2. Marcos Antonio Ataide Davila disse:

    Tem que haver um motivo, sem ele a história é verossímil.

  3. Batista disse:

    Talvez elas tinham no fundo alguma birra.. porque pra disparar tem que apertar o gatilho, ué rsrsrs

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 28 de agosto de 2020 às 18:57:01