https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2020/09/Tu-160_at_MAKS_2007.jpg

PROJETO AMBICIOSO

Rússia quer entrar na corrida pela volta dos aviões supersônicos

Recentemente, você viu aqui no Aeroin que há vários projetos em andamento no mundo para colocar os jatos supersônicos de passageiros de volta no ar até o fim da década.

Mas ainda faltava dizer que a Rússia também quer estar nessa empreitada com todo apoio da máquina estatal da potência militar.

Desde o ano passado, o presidente russo, Vladimir Putin, vem apoiando publicamente a ideia de uma aeronave supersônica para o transporte de passageiros totalmente desenvolvida em território russo.

O projeto é baseado no Tupolev Tu-160, um bombardeiro supersônico construído em diferentes momentos entre os anos 1980 e 2000. A aeronave de combate é o maior modelo supersônico em atividade no momento e o maior avião com asas de geometria variável do mundo.

Segundo o website de notícias RT.com, o Ministro da Indústria da Rússia, Denis Manturov, disse que a United Aircraft Corporation (UAC), empresa estatal russa que reúne companhias de construção, manufatura, projeto e venda de aeronaves para fins civis e militares, será responsável pelo desenvolvimento do jato supersônico de passageiros.

A primeira demonstração técnica, em simulador, está prevista para 2022. Em seguida, o projeto começaria a ser propriamente desenvolvido. Ainda não há previsão de lançamento oficial.

Tu-144

As características do Tu-160 animaram Putin a um projeto mais ambicioso, voltado para passageiros, algo que não seria inédito na aviação do país.

Nem todos sabem, mas o primeiro avião supersônico a levantar voo no mundo nasceu na União Soviética. O Tupolev Tu-144 fez o primeiro voo experimental em 31 de dezembro de 1968, dois meses antes do Concorde. A façanha aconteceu nos arredores de Moscou.

Tu-144
Tu-144 – Imagem: RIA Novosti, por wikimedia commons

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 8 de setembro de 2020 às 21:00:04