https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2021/02/dep-eduardo-botelho.jpg

'NÃO SOU ETERNO PRESIDENTE'

"Estou muito tranquilo, aguardando a decisão", diz Botelho sobre ação contra Mesa Diretora da AL

DA REDAÇÃO / LUIZA VIEIRA / DO LOCAL - LEONARDO MAURO
redacao@matogrossomais.com.br

Reprodução

O Presidente e deputado da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), Eduardo Botelho (DEM), se mostrou tranquilo, na tarde de quinta-feira (18), quando questionado acerca de sua possível saída da presidência da Casa de Leis, após terceira Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), relacionada a anulação da eleição e a posse da Mesa Diretora da AL, o parlamentar afirma que independentemente da decisão a ser tomada, será respeitada.

Botelho foi indagado quanto a sua conturbada reeleição para Mesa Diretora e sobre o fato dos advogados, serem os mesmos que assinaram a ação, que foi instinta pelo ministro Alexandre de Morais, e se o Partido Rede não estaria sendo usado com laranja para entrar com essa ação na Corte Suprema.

Eu não sei os motivos, mas o que posso dizer é o seguinte, estou muito tranquilo, aguardando a decisão, se a decisão que for tomada, nós vamos cumprir. Eu não sou eterno presidente, se vier uma decisão pra sair, nós saímos na maior tranquilidade“, disse o presidente.

As eleições do biênio 2021/2022 foram questionadas judicialmente novamente, pelos advogados do partido Rede Sustentabilidade, os quais tiveram resposta em nota a respeito da jurisprudência das eleições para a Mesa Diretora da AL segundo o Supremo Tribunal Federal (STF) “A eleição para a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, segundo o STF, ocorre de acordo com o previsto na Constituição Estadual, tendo em vista a autonomia federativa de cada Estado“, aponta a nota.

A ação instinta mencionada anteriormente foi feita pelo ministro do STF Alexandre Moraes e aconteceu no dia (9) deste mês “Julgo extinto o processo, sem resolução de mérito, com base no art. 21, IX, do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal e no art. 485, VI, do Código de Processo Civil de 2015. Publique-se“, despachou o ministro. O inteiro teor da decisão ainda não foi publicado.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 19 de fevereiro de 2021 às 16:20:25
  • 19 de fevereiro de 2021 às 14:35:44