https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2021/08/unnamed-1.jpg

EM CUIABÁ

Polícia Civil descarta que morte de empresário tenha sido por engano

DA REDAÇÃO/MATO GROSSO MAIS
[email protected]

reprodução

O Pistoleiro, identificado como  Igor Espinosa, de 26 anos, que executou o empresário, Toni da Silva Flor, de 38 anos, em agosto de 2020 em frente a uma academia com cinco tiros é integrante de uma facção atuante em Mato Grosso e acusado de integrar o bando envolvido em roubos de veículos, desmantelado na operação Ares Vermelhos, em agosto de 2017.

A vítima acreditava que havia sido atingido por engano e que o alvo seria outro frequentador da academia, um policial rodoviário federal.

Mas esta hipótese foi descartada, pelo delegado Marcel Gomes de Oliveira, que cumpriu mandado de prisão contra Igor, no Jardim Buritis.

O próprio Igor declarou que foi autor dos disparos e que o alvo era realmente o empresário. Mas, depois, calou-se e não forneceu mais informações sobre a motivação ou se alguém teria encomendando a execução. A hipótese de crime de mando é reforçada pelo fato de Igor inicialmente não ter qualquer vínculo com a vítima.

A Polícia Civil, através da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), cumpriu o mandado de prisão do suspeito identificado como autor do homicídio que vitimou,  em Cuiabá.

O suspeito estava com o mandado de prisão expedido pela 12ª Vara Criminal de Cuiabá com base em investigações da DHPP e foi localizado em uma residência, no bairro Residencial Buriti, em Cuiabá.

O crime ocorreu no dia 11 de agosto, no momento em que a vítima chegava à academia, no bairro Santa Marta em Cuiabá. O suspeito estava em frente ao estabelecimento, de cabeça baixa, e perguntou pelo nome da vítima, que quando foi responder foi alvejada por diversos disparos.

A vítima correu para o interior da academia, sendo socorrida e encaminhada para o Pronto Socorro Municipal, com quatro ferimentos de arma de fogo. Toni chegou ao hospital consciente, sendo encaminhado imediatamente para cirurgia, porém não resistiu aos ferimentos e morreu dois dias depois.

A DHPP conduziu as investigações conseguindo identificar o autor dos disparos, sendo representado pelo mandado de prisão preventiva que foi deferido pela Justiça e cumprido na terça-feira (10), em operação coordenada pelo delegado Marcel Oliveira.

O suspeito foi conduzido à DHPP para as providências de praxe e posteriormente colocado à disposição da Justiça.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 11 de agosto de 2021 às 18:18:04