https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2022/02/Neri-5.jpeg

COMITIVA FEDERAL

Missão ao Irã garante importação de fertilizante mais barato

Da assessoria

Em entrevista à rádio Conti, em Cuiabá, nesta sexta-feira (25.02), o deputado federal Neri Geller (PP/MT) falou dos principais avanços da missão oficial do Brasil no Irã. Membro da comitiva do Governo Federal, ao lado da ministra de Agricultura Tereza Cristina (DEM), Geller cumpriu intensa agenda de negociações com a cúpula do governo iraniano, visando estabelecer acordos bilaterais para facilitar a exportação de produtos brasileiros.

“O sentimento é de dever cumprido. Nós fizemos várias reuniões e conseguimos consolidar uma liderança forte no Irã. Um trabalho que foi iniciado lá em 2014, quando fui ministro, e conseguimos derrubar o embargo da carne, abrir mercado internacional e garantir a comercialização dos produtos brasileiros”, afirmou Geller.

Geller diz que a comitiva do Governo restabeleceu a presença do Brasil no Irã, visto que foi assinado um contrato de intenção de compra de ureia como base de troca ao fornecimento de soja e milho. De acordo com o ex-ministro, o Irã – que é o maior fornecedor de ureia para o Brasil -, se comprometeu a abastecer o mercado brasileiro com 400 mil toneladas do produto. Em contrapartida, os iranianos – que já são os maiores consumidores de produtos brasileiros do Oriente Médio – se comprometeram em adquirir milho e soja do Brasil.

“Se há 10 ou 12 anos produzíamos 9 milhões de toneladas de milho e, hoje, algo em torno de 32 milhões de toneladas, é porque nos tornamos competitivos e, além de garantir o consumo interno, podemos exportar de 80 a 90% do milho de Mato Grosso para o Irã. Isso mostra a força dos nossos produtores rurais e a importância de fortalecermos um setor que sustenta a nossa economia”, expôs Neri Geller.

O parlamentar explica ainda que a ureia é o principal insumo utilizado nos fertilizantes para produção de milho. O produto, que ano passado custava U$S 380 dólares, custa hoje U$S 880 dólares. “Os reflexos da pandemia, da alta do dólar e a falta de crédito com taxa de juros equalizada pelo Tesouro Nacional elevaram o custo da produção agrícola no mundo. Mais uma vez, saio de cabeça erguida de uma missão que irá impactar positivamente o agronegócio brasileiro”, finalizou.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 28 de fevereiro de 2022 às 14:01:15