https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2020/10/29032010dinheiro017-768x432-1.jpg

POLÍTICA ECONÔMICA

PIB do 3º tri confirma que não há necessidade de auxílios em 21, diz SPE

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia avaliou nesta quinta-feira que o crescimento econômico do terceiro trimestre, embora abaixo do esperado pelo mercado, confirma a retomada em V da atividade, quadro que dispensa a necessidade de auxílios do governo para o próximo ano.

Em nota, a SPE afirmou que os dados divulgados pelo IBGE mostram “forte recuperação da economia brasileira” e que os indicadores coincidentes sugerem manutenção da tendência de crescimento do PIB para os últimos meses deste ano, confirmando expectativa de expansão elevada no segundo semestre de 2020.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil mostrou recuperação recorde no terceiro trimestre de 2020, de 7,7%, sobre os três meses anteriores, mas o desempenho ficou abaixo do crescimento de 9% esperado pelo mercado, segundo pesquisa da Reuters com analistas.

A própria SPE havia previsto um alta do PIB de 8,3% no terceiro trimestre.

“A forte recuperação da atividade, do emprego formal e do crédito neste semestre pavimentam o caminho para que a economia brasileira continue avançando no primeiro semestre de 2021 sem a necessidade de auxílios governamentais”, disse a SPE, em nota.

“É importante frisar que a retomada da atividade e do emprego, que ocorreu nos últimos meses, compensará a redução dos auxílios”, completou.

Segundo a SPE, a melhora das condições financeiras também continuará impulsionando a atividade, em especial com a retomada da agenda de reformas.

Nos últimos dias, o Brasil viu a entrada de um fluxo maior de estrangeiros em meio a um cenário de forte liquidez nos mercados globais e ao bom humor com perspectivas mais concretas de vacinação para o coronavírus.

As reformas econômicas seguem em pauta no país, mas sem avanços significativos até aqui, ao mesmo tempo em que persistem dúvidas acerca do Orçamento e da prorrogação de auxílios para o ano que vem, quando a regra do teto de gastos voltará a valer.

Neste ano, o estado de calamidade pública abriu espaço para gastos extraordinários ligados ao enfrentamento da pandemia de Covid-19 sem a necessidade de cumprimento da regra. A maior despesa foi justamente com a concessão do auxílio emergencial: 321,8 bilhões de reais no total, contemplando pagamentos mensais de 600 reais aos beneficiários entre abril e agosto, e de 300 reais de setembro até o fim do ano.

Na visão da SPE, o aumento da taxa de poupança no terceiro trimestre, a 17,3% do PIB –maior valor para o período desde 2013–, mostra que a trajetória de consumo será suavizada no começo de 2021 sem a necessidade de novos auxílios governamentais.

“O escudo de políticas sociais criado para amenizar o sofrimento econômico e social causados pela pandemia deve ser desarmado, dando espaço para a agenda de reformas estruturais e consolidação fiscal –único meio para que a recuperação se mantenha pujante”, disse.

“O único caminho que poderá gerar a elevação do bem-estar dos brasileiros serão medidas que consolidem o lado fiscal de nossa economia e corrijam a má alocação de recursos, aumentem a produtividade e incentivem a expansão do setor privado”, complementou a secretaria.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 4 de dezembro de 2020 às 11:56:30
  • 4 de dezembro de 2020 às 11:51:40