http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/03/EURICO.jpg

Campanha Cuiabá 300 anos Unimed
Cuiabá, sábado, 20 de abril de 2019

LUTO NO VASCO

Morre Eurico Miranda, polêmico presidente do Vasco, aos 74 anos

EXTRA

Foto: Ricardo Borges/Folhapress

Morreu nesta terça-feira, por volta das 11h, no Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, um dos mais importantes e controversos dirigentes do futebol brasileiro. Eurico Miranda, ex-presidente do Vasco, faleceu vítima de complicações devido a um câncer no cérebro, aos 74 anos. Polêmico, provocador e colecionador de frases de efeito, desafetos e admiradores, deixa a esposa Sylvia, os filhos Eurico Brandão, Álvaro Miranda, Mário Ângelo Miranda e Sylvia Miranda, e oito netos.

Ainda não há informações quanto ao enterro do atual presidente do Conselho de Beneméritos do Vasco. Há dez anos, ele lutava contra tumores em outras partes do corpo, o que ocasionou alguns períodos de afastamento dele durante seu último mandato como presidente do Cruz-Maltino, entre 2015 e 2017. Por ocasião de uma homenagem aos 120 anos do clube, esteve na Assembleia Legislativa do Estado do Rio, numa aparição pública que revelou a saúde debilitada. Mesmo com dificuldades de locomoção, seguiu frequentando São Januário e participando ativamente da vida política do clube até novembro.

Eurico Miranda foi presidente do Vasco em dois períodos, de 2001 a 2008 e de 2014 a 2017. Na posição mais importante do clube, foi tricampeão carioca, em 2003, 2015 e 2016. Seu auge como dirigente foi na vice-presidência de futebol da gestão Antônio Soares Calçada, entre 1986 e 2000. No período, o Vasco conquistou seis campeonatos estaduais, um Torneio Rio-São Paulo, três Brasileiros, uma Copa Mercosul e o título mais importante da história do clube – a Libertadores de 1998, ano do centenário vascaíno.

Na carona dos resultados obtidos como vice-presidente, Eurico se elegeu deputado federal pelo Rio nas eleições de 1994 e 1998. Por sua atuação como vice-presidente e presidente do Vasco, foi um dos alvos da Comissão Parlamentar de Inquérito instaurada em Brasília para apurar irregularidades no futebol brasileiro, em 2001. Ao final do processo, a cassação de seu mandato como deputado federal não foi aprovada, e ele pôde cumpri-lo até o fim e nunca mais conseguiu se reeleger.

Eurico Miranda teve participação importante em alguns dos principais episódios do futebol brasileiro nas últimas três décadas, como a criação do Clube dos 13, as discussões a respeito do fim da lei do passe e as viradas de mesa que se repetiram na Série A no fim dos anos 90.

No Vasco, deixou como legado algumas das contratações mais emblemáticas do clube, como o retorno de Roberto Dinamite em 1980, quando o atacante ameaçava se transferir para o Flamengo, e a compra de Bebeto, atacante que defendia o arquirrival rubro-negro e foi um dos responsáveis pela conquista do título brasileiro de 1989.

Por outro lado, seus opositores em São Januário sempre acusaram Eurico de ser o principal responsável pelo acelerado endividamento do clube a partir do fim dos anos 1990. As dificuldades financeiras que o Vasco atravessa desde então tiveram como consequências a escassez de conquistas de expressão e três rebaixamentos para a Série B, dois deles com a participação direta de Eurico, em 2008 e 2015. Além disso, os processos eleitorais dentro do clube foram marcados por intensa hostilidade contra seus opositores e acusações de fraude envolvendo sócios fantasmas.

Durante suas gestões, o Vasco teve relação beligerante com a imprensa, o que culminou em diversos momentos na proibição de determinados veículos e jornalistas de participarem da cobertura diária. Esses problemas ajudaram a minar sua popularidade e a desgastar a imagem do Cruz-Maltino.

Na eleição do Vasco de 2017, ele tentou a reeleição para presidente, mas sua chapa foi derrotada pela união da oposição. Ainda assim, depois que a Justiça apurou que houve irregularidades na entrada de sócios durante sua gestão. Eurico Miranda ainda participou da articulação que culminou com a eleição de Alexandre Campello e a derrota de Julio Brant, até então considerado o favorito para assumir o clube. Eleito presidente do Conselho de Beneméritos, concentrou seus esforços em 2018 na aprovação das contas de seu último ano de gestão como presidente administrativo.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *