https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/05/amp-WhatsApp-Image-2019-05-26-at-16.19.51.jpeg

MOBILIZAÇÃO NACIONAL

Cuiabanos fazem carreata em defesa de projetos do governo Bolsonaro

Reprodução

Manifestantes saíram em carreata pelas ruas de Cuiabá em defesa do governo do presidente Jair Bolsonaro. O ato, que é uma mobilização nacional, contou com a participação da senadora Selma Arruda (PSL), do ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD) e do vereado Wilson Kero Kero (PSL).

Os manifestantes exigem aprovação do pacote anti-crime, reforma da Previdência, reformas econômicas, CPI da ‘Lava Toga’, garantia de que o COAF fique sob controle do Ministério da Justiça e que o STF não ‘legisle’. A Polícia Militar não informou o número de manifestantes que se aglomeraram na Praça das Bandeiras, ponto de partida da carreata.

Os atos acontecem em várias cidades do país desde o período da manhã. Desta vez, grupos de direita que tradicionalmente participam de atos desta natureza, como Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem pra Rua, não participam. Em Mato Grosso, o ato teve como linha de frente o grupo Direita Mato Grosso e políticos e assessores ligados ao PSL.

O coordenador do grupo Direita Mato Grosso, Rafael Yonekubo, reforçou que o ato deste domingo (26) tem como objetivo demonstrar o apoio dos eleitores ao governo Bolsonaro.

“Tivemos uma mobilização muito grande pelos grupos de WhatsApp e Facebook, então, a adesão é grande também. O ato mostra que o presidente Bolsonaro ainda tem o apoio que conseguiu durante a campanha”, explicou.

Por whatsapp, os organizadores do ato divulgaram ao longo da última semana que o ato de Cuiabá se inicia na Praça das Bandeiras à partir das 15h e de lá segue para a Avenida Getúlio Vargas, com parada breve na Praça Alencastro, passagem pelo Choppão e encerramento na Arena Pantanal.

2 comentários em “Cuiabanos fazem carreata em defesa de projetos do governo Bolsonaro”

  1. Thiago disse:

    Esse ato teve quantos participantes?

    1. Allan Mesquita disse:

      A Polícia Militar não informou o número de manifestantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais