TERREMOTO À VISTA

Colaboradores da Rêmora prestam depoimento bomba

A juíza da 7ª Vara Criminal, Ana Cristina Mendes, redesignou para o dia 2 de julho, às 9 horas, audiência em que serão ouvidos os colaboradores Giovani Belato Guizardi e Luiz Fernando da Costa Rondon, além da testemunha de acusação, Ricardo Augusto Sguarezi, em decorrência da Operação Rêmora.

A magistrada também mandou intimar para participar da audiência o empresário Alan Ayoub Malouf, o ex-secretário de Educação da gestão Pedro Taques, Permínio Pinto, e os ex-servidores Fábio Frigeri e Wander Luiz dos Reis.

O interrogatório ocorre após ter sido sanado a causa do impedimento da juíza em atuar na ação penal, para prosseguimento da instrução.

Giovani Guizardi e Luiz Fernando da Costa Rondon foram alvos da Operação Rêmora que investigou uma suposta organização criminosa que atuava em licitações e contratos administrativos de obras públicas de construção e reforma de escolas da Secretaria de Estado de Educação (Seduc/MT).

A organização criminosa, conforme o Gaeco, é composta por três núcleos: de agentes públicos, de operações e de empresários.

O núcleo de operações, após receber informações privilegiadas das licitações públicas para construções e reformas de escolas públicas estaduais, organizou reuniões para prejudicar a livre concorrência das licitações, distribuindo as respectivas obras para 23 empresas, que integram o núcleo de empresários.

Por sua vez, o núcleo dos agentes públicos era responsável por repassar as informações privilegiadas das obras que iriam ocorrer e também garantir que as fraudes nos processos licitatórios fossem exitosas, além de terem acesso e controlar os recebimentos dos empreiteiros para garantir o pagamento da propina.

Já o núcleo de empresários, que se originou da evolução de um cartel formado pelas empresas do ramo da construção civil, se caracterizava pela organização e coesão de seus membros, que realmente logravam, com isso, evitar integralmente a competição entre as empresas, de forma que todas pudessem ser beneficiadas pelo acordo.

O Gaeco, utilizando-se de várias técnicas investigativas, dentre as quais a ação controlada, realizada nos termos da lei n. 12.850/2013, realizou o acompanhamento de todas as etapas das fraudes engendradas pela organização criminosa, produzindo-se provas e identificando-se praticamente todos os envolvidos.

As fraudes no caráter competitivo dos processos licitatórios começaram a ocorrer em outubro de 2015 e diziam respeito a, pelo menos, 23 obras de construção e/ou reforma de escolas públicas em diversas cidades do Estado de Mato Grosso, cujo valor total das obras ultrapassava o montante de R$ 56 milhões.

De acordo com o Gaeco, à época,  o valor desviado não chegou ao montante das obras que seriam realizadas, mas, sim, algo em torno de pouco mais de R$ 1 milhão.

Na segunda fase da Operação Rêmora, em 20 de julho de 2016, o ex-secretário de Educação do Estado, Permínio Pinto (PSDB) e acabou sendo solto em dezembro do mesmo ano.

Alan Malouf foi preso por ser apontado como o principal mentor do esquema de corrupção na secretaria de Educação de Mato Grosso.

O empresário desde o início da operação colaborou com as investigações. Em seu primeiro depoimento, afirmou que o então governador Pedro Taques (PSDB) seria o principal beneficiado do esquema. O objetivo, segundo Malouf, era arrecadar dinheiro para quitar dívidas da campanha de 2014.

Alan Malouf firmou acorde de delação premiada junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) em 2018.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 17 de junho de 2019 às 17:08:32
  • 14 de junho de 2019 às 16:52:31