https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/09/lucio-bolonha-funaro-corretor-de-cambio-tido-como-operador-de-eduardo-cunha-1452502287711_1920x1280.jpg

INCENTIVOS FISCAIS

Jornal divulga perguntas feitas na CPI; personalidades políticas de MT são citadas nos questionamentos

Lula Marques

O jornal A Gazeta divulgou, em edição desta sexta-feira (20), as 18 perguntas que teriam sido feitas ao doleiro Lúcio Funaro, em depoimento prestado na CPI dos Incentivos Fiscais da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, nesta quinta-feira (19).

A oitiva do delator da Lava Jato foi realizada às portas fechadas, sem a presença da imprensa, em decisão de última hora, que teve aval da Procuradoria da Casa de Leis.

O receio é que Funaro poderia revelar nomes ou situações que estariam em sua delação premiada, que está sob segredo de Justiça.

O presidente da CPI, deputado Wilson Santos (PSDB), disse que foi surpreendido com o requerimento pedindo que a oitiva do doleiro, Lúcio Bolonha Funaro, fosse realizada em sessão secreta, sem o acompanhamento da imprensa.

“Eu fui surpreendido com esse requerimento no horário da CPI, a princípio todos os deputados tinham conhecimento e votaram favorável. É uma surpresa desagradável”, esclareceu.

Funaro veio a Mato Grosso para prestar esclarecimentos em relação a fraudes em ICMS no Estado, reveladas por ele durante a CPI do BNDES na Câmara dos Deputados.

Algumas perguntas divulgadas pelo jornal citam personalidades políticas do Estado.

Confira as perguntas

1 – Senhor Lucio Bolonha Funaro, o senhor ficou conhecido por participar de esquemas de lavagem de dinheiro público. Seu nome já apareceu em esquemas investigados por CPIs e no denominado “Petrolão”. A CPMI dos Correios já havia descoberto seus negócios escusos usando empresas como a Garanhuns entre outras. Destaca-se também no desvio de recursos de fundos de pensão. O senhor também atuou em esquemas no mercado cambial e derivativos. Dada esta sua influência, gostaria que detalhasse com quem e por quais motivos o senhor “operou” aqui no estado de Mato Grosso?

2 – O senhor, grande operador do mercado de lavagem de dinheiro, mantinha contatos com o senhor João Arcanjo Ribeiro, vulgo Comendador. Quais as relações que o senhor mantinha com os doleiros e outros “agentes” financeiros para desviar os recursos e lavar o dinheiro?

3 – Recentemente o PR, Partido da República, voltou a sua origem, voltando a ser PL, Partido Liberal. Durante a CPI dos Correios comprovou-se (pagina 730, volume 11, relatório final da CPMI dos Correios) que o senhor movimentou enorme soma de dinheiro, a partir da sua empresa Garanhuns, para Valdemar Costa Neto. Somente no ano de 2003 este valor alcançou mais de R$ 6 milhões. Gostaria que o senhor detalhasse o já comprovado intimo relacionamento que o senhor mantém com o atual Partido Liberal e o senhor Waldemar Costa Neto. Há indícios de transferências para os partidos aqui citados. Por favor, detalhe este relacionamento financeiro com parlamentares ou ex-parlamentares. Estas operações guardam alguma relação com o fisco do Estado de Mato Grosso?

4 – O que o senhor poderia comentar sobre sua relação com Joesley Batista em relação aos negócios do grupo JBS em Mato Grosso?

5 – Conforme se constata, houve intermediação em Brasília feita pelo ex-presidente Michel Temer, conforme estratégia bem sucedida traçada pelo senhor, para favorecer o grupo JBS com a indicação de nome para assumir o Ministério da Agricultura. Houve indicação sua ao governador/governadores de algum nome para assumir a secretaria de Agricultura, com o intuito desta pessoa facilitar os interesses do Grupo JBS aqui em Mato Grosso?

6 – Aqui em Mato Grosso alguém chegou a pedir ao senhor para garantir recursos para comprar algum voto em determinada votação de assunto de interesse do governo na Assembleia Legislativa como o ex-deputado Eduardo Cunha solicitou ao senhor R$ 1 milhão para garantir o impeachment da presidente Dilma Rousseff?

7 – Aqui em Mato Grosso alguém pediu para o senhor recursos para financiar alguma campanha política para vereador, deputado, senador ou governador como o ex-presidente Michel Temer solicitou ao senhor para a campanha de Gabriel Chalita a prefeitura paulistana em 2012?

8 – Se tem conhecimento que funcionava em Mato Grosso, ou em outro Estado, o mecanismo para a concessão de incentivo fiscal com relação aos frigoríficos ou outros setores empresariais e de que forma isto impactava na livre concorrência?

9 – Na CPI do BNDES o sr. mencionou a participação do sr. Fernando Mendonça como operador de incentivos fiscais no estado de Mato Grosso. O senhor tem conhecimento do papel por ele desempenhado, qual o montante movimentado e quais pessoas ele trata sobre este esquema nos governos passados?

10 – O sr. tem conhecimento de até quando perdurou esquema operado por Fernando Mendonça, e se houve a substituição dele por outro operador e até quando a JBS ou outra empresa que tenha conhecimento se beneficiou de concessões espúrias de incentivos fiscais?

11 – Foi constatado através de recente depoimento da CPI do BNDES seu conhecimento sobre a delação do ex- governador do Silval Barbosa. O sr. sabe se ele omitiu algum fato relevante ou omitiu ou mesmo protegeu o envolvimento de mais alguém?

12 – Como funcionava o esquema de contrapartida das concessões indevidas dos incentivos fiscais como funcional o pagamento das propinas, se eram feitos através de empresas? Como funciona?

13 – Quais os nomes dos agentes públicos, inclusive políticos, favorecidos por este esquema, que o senhor tem conhecimento?

14 – O senhor era considerado homem de confiança da direção nacional do MDB e tinha contato regulares como ex-presidente Michel Temer e com o ex-deputado Eduardo Cunha. Aqui em nosso Estado, quem era o seu principal   contato no MDB?

15 – Que negócios o senhor intermediou aqui em Mato Grosso em conluio com políticos do MDB e de outros partidos em atendimento ao comando político do mesmo partido (MDB)?

16 – Tanto o ex-ministro Blairo Maggi quanto seu assessor especial, Lázaro Borges, são acusados de irregularidades em contrato com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes(DNIT) para a recuperação de rodovia em Mato Grosso do Sul, de acordo com o Ministério Público Federal. Qual a sua participação na lavagem de dinheiro desta operação e no desvio de recursos para o exterior?

17 – Qual o seu relacionamento financeiro com o senhor Lázaro Borges ou sua empreiteira, ENPA? Consta que o senhor Lázaro Borges financiou a campanha para o Senado Federal do senhor Wellington Fagundes em 2014. Que tipo de participação o senhor teve nesta campanha?

18 – Quais servidores do Ministério da Agricultura na gestão Blairo Maggi o senhor conhecia ou indicou?

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 20 de setembro de 2019 às 15:00:23
  • 20 de setembro de 2019 às 13:09:14