https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/10/corinthians-22102019170145888.jpeg

CAMPEONATOS ESTADUAIS

Cada vez mais rejeitado, o Paulista traz boa novidade. A quarentena

Reprodução

O presidente da Federação Paulista de Futebol, Reinaldo Carneiro Bastos, é homem de confiança do banido Marco Polo del Nero.

Parceiro de Rogério Caboclo.

Ele sabe muito bem da falta de interesse da Globo e dos clubes grandes na manutenção dos Campeonatos Estaduais.

Seguem obrigados a disputar a competição esvaziada, sem razão de existir, ultrapassada, por conta da CBF.

O presidente da entidade precisa dos votos das federações para se manter no poder ou eleger. Cada voto de uma federação vale três em relação aos votos dos clubes.

Só disputa o Brasileiro e a Copa do Brasil o clube que disputar o principal campeonato do seu estado. Se desistir, a CBF não homologa a participação nas competições que levam até a Libertadores e Copa Sul-Americana.

Simples assim.

No caso de São Paulo, os principais dirigentes de Palmeiras, Corinthians, Santos e São Paulo não ousam questionar o estadual. Só o presidente palmeirense Mauricio Galiotte o fez, em 2018, quando chamou o campeonato de “Paulistinha”.

O tempo passou e Galiotte entendeu precisar se reaproximar de Reinaldo por conta da força da FPF nos bastidores do futebol no país.

O Paulista jogado entre janeiro e abril atrapalha as férias, a pré-temporada dos grandes times.

Como um gesto de boa vontade, Reinaldo resolveu que a semifinal será disputada em partida única, diminuindo de 17 para 16 datas do Paulista.

Mas a principal sugestão veio de Mauro Silva, tetracampeão mundial, em 1994.

Ele convenceu Bastos a adotar algo que os clubes e os treinadores brasileiros não suportam nem ouvir falar: a ‘quarentena’.

Ou seja, treinadores serão autorizados a trabalhar em apenas uma equipe enquanto durar o torneio.

Algo que acontece na Europa.

Esse foi o grande avanço, que passou discretamente hoje, no lançamento do torneio de 2020.

A premiação segue ridícula em relação a outros torneios no ano.

Apenas R$ 5 milhões para o campeão.

E R$ 1,5 milhão ao vice.

Absurdo para uma entidade que faturou R$ 80,6 milhões em 2018.

Ao final de 2019, o dinheiro com certeza será maior.

Mas o seu poder está no contexto atrasado do futebol brasileiro.

Apesar de ultrapassado, o Campeonato Paulista é o seu maior evento.

Só que dentro deste atraso, uma novidade importante.

A quarentena.

Se os dirigentes da CBF tiverem autoridade para impô-la no Brasileiro e na Copa do Brasil seria um grande salto na administração dos clubes.

Haveria mais responsabilidade na escolha do treinador.

Assim como também do técnico ao aceitar a proposta do clube.

Até que enfim uma boa notícia saiu do milionário prédio da FPF.

Até que enfim…

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *