https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/10/Claudinei_eleição_First_Frame.png

CRISE NO NINHO

Deputado de MT teme saída de Bolsonaro do PSL, "ficaria difícil de acompanhar"

Mato Grosso Mais

O deputado estadual delegado Claudinei (PSL) teme a saída do presidente Jair Bolsonaro (PSL) após os conflitos internos dentro do próprio partido. Segundo o parlamentar, se Bolsonaro trocar de partido, será difícil que o PSL continue apoiando o presidente.

“Se ele for com o partido antigo, nós não teríamos como acompanhar. Sem uma liberação do presidente do PSL, a gente não teria como sair para trocar de partido. Temos que respeitar o período aí de três anos se for o caso, para sair do partido”, disse.

Na ocasião, o parlamentar também criticou a postura da ex-líder do governo na Câmara dos Deputados, Joice Hasselmann (PSL) depois de diversas declarações contra o presidente da República.

Para Claudinei, a deputada federal “surfou na onda Bolsonaro” para ser eleita no pleito de 2018.

“Se não fosse a força do Bolsonaro, eu não sei se ela seria campeã de votos pelo estado de São Paulo. Eu acho que ela deveria conversar com o presidente primeiro, ela foi uma aliada principalmente na questão da reforma da previdência . Ela devia ter falado com ele antes até mesmo de fazer esses ataque aí na imprensa”, explicou.

Veja o vídeo

Crise no PSL

Desde a semana passada, o PSL tem sofrido desgaste com um conflito interno que dividiu o partido em duas alas “bolsonaristas” e “bivaristas”. O pano de fundo seria o controle do fundo partidário da legenda, que pode chegar a R$ 110 milhões.

Nesta semana, o grupo de parlamentares ligados ao presidente da sigla, Luciano Bivar (PSL-PE), pediu a expulsão de Eduardo Bolsonaro do partido, sob a alegação de abuso de poder. O grupo também pediu a destituição de Eduardo da direção estadual do PSL em São Paulo.

Nesta sexta-feira (25), em visita à China, o presidente Bolsonaro ao comentar a crise no partido, disse não saber qual perfume Bivar está usando e chamou o ato de expulsão do filho de autoritário.

““Está na cara que é um ato autoritário de quem não está ligado à democracia e à transparência. Não sei qual perfume o Bivar está usando”, disse em entrevista à imprensa em Pequim.

Ainda nesta semana, Eduardo Bolsonaro acabou sendo nomeado líder do Governo na Câmara, assumindo o lugar do delegado Valdir (PSL).

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 26 de outubro de 2019 às 21:25:51
  • 25 de outubro de 2019 às 19:51:20