https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/10/5d73899ec1e0f21bc6c2ed9d9822296f-e1554903889921-785x466.jpg

BOAS EXPECTATIVAS

Pagamento do 13º salário deve movimentar R$ 3,3 bilhões em MT

Marcus Vaillant

O pagamento do 13º salário dos mato-grossenses deve injetar R$ 3,3 bilhões na economia do Estado. O dado foi divulgado nesta terça-feira (5) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Para a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL Cuiabá), a liberação do recurso deve ajudar no movimento do comércio. A entidade espera um incremento de 5% a 7% nas vendas de Natal, que serão movimentadas, em grande parte, pelo 13º salário. “Dezembro é o melhor mês do ano para o comércio e um dos motivos é esse, o abono natalino. Esperamos com ansiedade que isso venha reforçar o resultado deste ano, continuando a escalada de crescimento do 2º semestre. O ambiente macroeconômico está ficando bom e isso transmite segurança para o trabalhador que acaba tendo mais confiança em comprar, porque tem certeza de que honrará seus compromissos”, afirma o presidente, Nelson Soares.

Conforme o Dieese ainda, em relação a 2018 o pagamento dos setores públicos e privados ficou em R$ 3,1 bilhões, ou seja, houve um incremento de 5%  em 2019, onde o salário médio subiu de R$ 2,790 mil para R$ 2,907 mil, crescimento de 4,2%.

O Dieese aponta também que o 13º será liberado a 339,8 mil aposentados e pensionistas. Eles ficarão com 21% do valor total, com a soma de R$ 719 milhões e salário médio de R$ 2.115,63. Já os 903,6 mil trabalhadores do mercado formal receberão R$ 2,6 bilhões (78,5%), com média de R$ 2.907,11 por pessoa. Até dezembro de 2019, o pagamento do 13º salário deve injetar na economia brasileira mais de R$ 214 bilhões, cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

“Diante desses resultados acreditamos que somente no natal deveremos ter uma movimentação na economia em torno de R$ 769 milhões no Estado, o que resultará também em contratações temporárias. Essa é a oportunidade tanto para os empresários de faturarem mais, quanto para quem está desempregado”, avalia Soares.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *