https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/12/image001-1.jpg

NAS REDES SOCIAIS

Parlamentares manifestam indignação com a cassação do mandato de Selma

Da assessoria

A decisão que levou à cassação da senadora por Mato Grosso, Juíza Selma (Podemos), pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está repercutindo no meio político. Congressistas prestam solidariedade e manifestam indignação com mensagens e vídeos nas redes sociais.

“Lamentamos principalmente porque o voto do Fachin (ministro que votou contra a cassação) foi brilhante e poderia direcionar os demais. Infelizmente a ordem de votação nos prejudicou terrivelmente. Estamos juntos, você é forte, a sua dignidade supera qualquer injustiça, e o voto do Fachin como você mesmo disse, lavou a sua alma, isso que é importante. Não tenho palavras para me expressar, uma carreira brilhante que apenas se iniciava e foi decapitada desta forma irresponsável no meu entendimento. Evidentemente que é preciso respeitar as decisões judiciais, mas é muito difícil não afirmar que foi insensata. Você é vítima de uma injustiça que certamente provoca essa dor cruel que você está sofrendo agora, mas você está acima dessas circunstâncias com a sua dignidade, decência e honradez e, certamente, é o que vale nessa hora”, disse Álvaro Dias, líder do Podemos no Senado.

O senador pelo Ceará, Eduardo Girão (Podemos) também se manifestou lamentando a decisão. “Confesso que assisti a esses dois dias de julgamento e teria orgulho de ser julgada e condenada da forma que você foi, num prazo surreal, mostrando um direcionamento muito claro para tirar uma pessoa que estava fazendo a diferença e incomodando os poderosos. Sua vida é de fazer justiça, você é nossa inspiração. Tudo no comando de Deus, tudo tem um propósito. Ficou claro o que aconteceu aqui. Você tem que sair de cabeça erguida”, comentou em um vídeo.

A parlamentar também recebeu o apoio do senador Styvenson Valentim (Podemos –RN). “A sensação que eu estou é de luto por uma pessoa que teve a vida política assassinada. Acompanhei cada voto dado, respeito, mas não concordo e tenho o direito de falar que é vergonhoso para a justiça brasileira a falta de imparcialidade no nosso judiciário. Quem conhece a Selma sabe muito bem que seu erro foi ir contra o sistema. A gente precisa de uma CPI da Lava Toga, precisamos reajustar esses botões da justiça. O ministro Fachin deixou claro que não existia nenhuma irregularidade a ser atribuída à Selma”, ressaltou.

Senadores do antigo partido da congressista também registraram sua insatisfação com o resultado do TSE. “Ainda temos luta, temos recurso extraordinário que pode decretar, monocraticamente, efeito suspensivo. Você sabe que o seu erro foi colocar um governador corrupto e secretários na cadeia. Hoje, o submundo do crime em Mato Grosso, esses mafiosos, devem estar comemorando e dizendo que o crime compensa no Brasil, mas cabeça erguida, estamos juntos contigo nessa luta. Não precisa explicar para ninguém no mundo a injustiça praticada. O voto do Fachin foi um tapa na cara desses malditos. Estamos só começando uma nova trajetória de vida e você estará sempre com a gente”, disse Major Olímpio, líder do PSL no Senado.

“Minha amiga, minha irmã, Selma, você é de uma coragem que eu admiro. É difícil encontrar alguém com essa coragem de enfrentar com a honradez que você enfrentou tudo por aqui. Ainda temos recurso, continuaremos ao seu lado lutando, mas, caso seja essa a decisão final, o Brasil e o Mato Grosso terão uma perda muito grande e você vai ficar para mim como mártir, um exemplo. Estamos ao seu lado. Ainda não acabou, reforçou Soraya Thronicke (PSL-MS).

Selma ficou conhecida como “Moro de saia” ao tornar-se a juíza responsável por decisões que entraram para a história de Mato Grosso. No comando da Operação Sodoma, mandou prender o ex-governador de Mato Grosso, ex-secretários de governo, o ex-presidente da Assembleia Legislativa e também o ex-presidente da Câmara dos Vereadores de Cuiabá.  Todos envolvidos com corrupção, fraudes e desvio de dinheiro público.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 12 de dezembro de 2019 às 13:36:19
  • 12 de dezembro de 2019 às 13:35:22