https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2020/02/258.jpg

CASO SEM SOLUÇÃO

Perícia em celular de mulher de Sachetti não fica pronta e morte de criança completa 6 meses

Reprodução

Completa hoje, dia 11 de fevereiro, seis meses do acidente que matou Daniel Augusto da Silva, de 3 anos, atropelado por uma caminhonete Toyota Hilux, conduzida por Lidiane Campos, de 38 anos, esposa do ex-deputado federal, Adilton Sachetti (PRB), no início da noite do domingo, em 11 de agosto, dia dos pais, em Rondonópolis (218 km de Cuiabá).

Mato Grosso Mais entrou em contato com a Polícia Judiciária Civil (PJC) para saber o motivo do inquérito sobre as causas do acidente ainda não ter sido concluído.

Em resposta, a PJC informou que a Polícia Civil de Rondonópolis aguarda o resultado da perícia para a conclusão da investigação.

O decreto da Justiça que determinou a quebra de sigilo telefônico de Lidiane Campos, teve o aparelho de celular encaminhado à Politec em Cuiabá, que deu início nas análises em outubro de 2019, e, até o momento, segue sem o resultado.

A delegada responsável pelo caso, Ludmila Vendramel, segue aguardando o resultado e reitera a necessidade de urgência para a conclusão do inquérito.

O ACIDENTE

Daniel estava junto com o pai, Marcos, e a esposa dele, Dayane, em uma moto quando foram atingidos pela Hilux, no cruzamento entre as Avenidas 15 de Novembro e Tiradentes. O acidente teria ocorrido após a Hilux avançar a preferencial e atingir a motocicleta.

No boletim de ocorrência (BO) consta que Lidiane Campos fugiu do local sem prestar socorro às vítimas.

Após a batida, a motorista deixou o carro atrás de um supermercado, próximo do local do acidente.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 12 de fevereiro de 2020 às 13:55:03
  • 12 de fevereiro de 2020 às 00:10:03