https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/07/Sem-título-1.png

MAESTRO FABRICIO CARVALHO

De Bong Joon Ho a Paulo Guedes

Reprodução/MT+TV

Parasita foi certamente a palavra que mais esteve em evidência no Brasil e no mundo durante a semana passada.

No mundo, devido ao filme do sul-coreano Bong Joon Ho, que no domingo, de forma mais que merecida, conquistou os mais altos prêmios na festa do Oscar, o de Melhor Filme e o de Melhor Diretor, além de conseguir a façanha de ser o primeiro longa-metragem não falado em inglês na história de Hollywood a vencer na categoria principal.

E que bom que tenha acontecido isso! Que bom, pois agora o filme está sendo visto e apreciado por muito mais pessoas em todo o planeta, com o prêmio contribuindo para levar sua mensagem de encantamento e sublimação humana mundo afora, coisa que apenas as verdadeiras obras de arte são capazes de fazer assim, tão sutil e elegantemente.

No Brasil, a mesma palavra também esteve em pauta emendando a semana passada inteira e o início desta, seja na imprensa, nos parlamentos ou nas rodas de conversa onde quer que houvesse gente reunida.

Só que, por aqui, o motivo de tamanho ‘sucesso’ não foi apenas derivado do filme e de sua repercussão antes e depois do prêmio: aqui houve um ‘mas’, houve, ainda, um ‘infelizmente’. Infelizmente, porque ela foi mal colocada pelo ministro Paulo Guedes, da Economia, quando comparou os funcionários públicos brasileiros a parasitas que vão, segundo ele, aos poucos, matando o “hospedeiro” (o Estado).

Tão mal colocada que Guedes, mais uma vez, se viu obrigado a voltar atrás – o que, aliás, já havia feito em outras oportunidades, como da vez em que cogitou uma possível volta do AI-5 em caso de “badernas” nas ruas do país, quando associou a devastação ambiental na Amazônia à pobreza e, por último, quando cita as empregadas domésticas indo à Disney.

Para finalizar, e ainda uma vez voltando à questão do poder da fala por Bong Joon Ho ou Paulo Guedes, lembro que no filme, quando a família parasita está no ginásio, após a tragédia do alagamento de sua casa, o filho pergunta ao pai do ‘plano’ que ele dissera ter para escapar do imbróglio em que se meteram no porão da casa dos patrões, e então o pai responde: “não tenho plano nenhum.

E nem adianta mesmo, porque você faz um plano, que pode até parecer perfeito, mas depois vem a vida e acontece tudo diferente”.

Ele, o pai, fala do ponto de vista de quem está perdendo, sofrendo, sem esperança, com a água lhe chegando ao pescoço, literalmente, e isso talvez justifique a sua falta de plano, a sua descrença na vida.

Mas Paulo Guedes, a exemplo de todo homem público, não tem o direito de se comportar assim.

Afinal, os homens públicos trabalham (e falam) em nome de seus planos: planos econômicos, sociais, planos de governo que vão impactar diretamente a vida de toda uma coletividade, de toda uma nação.

Assim, não podem se dar o direito do dizer e desdizer, do morde e assopra permanente que tem caracterizado muitas falas e ações de Paulo Guedes e outros membros do governo Bolsonaro.

Desse modo, espera-se que se pautem, sempre, pela capacidade e a responsabilidade da fala. Falar e agir com responsabilidade e consequência é o que lhes compete.

 

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 15 de fevereiro de 2020 às 03:34:29
  • 15 de fevereiro de 2020 às 03:32:09