https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/09/Operação-Manaki-Avem-2-8.jpg

17 E 18 ANOS

Suspeitos de matar e roubar vítima em VG, são presos pela Polícia Civil

Reinaldo Lima/PJC / Ilustração

Os dois jovens suspeitos pela morte de Cássio Rogério Gonçalves foram presos nesta terça-feira (14) pelas equipes da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A vítima foi encontrada morta em sua residência, no último sábado, em Várzea Grande, e corpo apresentava 16 perfurações por objeto cortante desferidas no abdômen e pescoço. Os suspeitos, um de 18 anos e outro de 17 anos, foram apresentados à delegacia por familiares e prestaram depoimento à delegada Eliane Moraes, que preside a investigação.

Contra o rapaz de 18 anos foi cumprido o mandado de prisão preventiva deferido pela Justiça. A medida de internação do adolescente, representada pela delegada, aguarda manifestação do Ministério Público para posterior autorização judicial.

Os dois alegaram em depoimento que cometeram o crime para roubar a vítima.

Policiais da DHPP também localizaram, a partir de diligências realizadas desde a data do crime, mais pertences da vítima, sendo dois notebooks e também o veículo, que foi deixado na região do CPA, na Capital.

A investigação do homicídio contou com trabalho ininterrupto de equipes da DHPP coordenadas pelos delegados Eliane Moraes e Caio Fernando Albuquerque.

No domingo, 12 de abril, após diligências realizadas em diferentes bairros de Cuiabá, cinco pessoas foram conduzidas à delegacia para prestar depoimento, após os policiai localizarem parte dos objetos roubados da casa da vítima (televisores, caixa de som, aparelhos celulares e roupas).

Na casa da irmã de um dos suspeitos do crime foram encontrados um celular e roupas da vítima, queimados para despistar a investigação. Segundo a mulher, os objetos foram deixados na residência pelos dois suspeitos de cometerem o crime, que estavam também com o carro da vítima.

Das cinco pessoas conduzidas, duas delas foram autuadas em flagrante e tiveram a prisão representada pela delegada. “As pessoas que estavam com objetos da vítima tinham conhecimento de que os suspeitos planejavam o cometimento do crime. Quando receberam os objetos dos executores, elas sabiam que eram de procedência da vítima que eles haviam planejado matar”, informou a delegada Eliane Moraes.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *