https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2018/03/urna-eletronica-polemicas-eleicoes.jpg

ARTICULAÇÕES NO CONGRESSO

Com presidente do TSE, Senado debate nesta segunda o adiamento das eleições

Reprodução

Com a presença do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, o Senado realiza, a partir das 14h (de Brasília) desta segunda-feira (22), uma sessão de debates sobre o adiamento das eleições municipais de 2020. Articulações sobre o assunto ocorreram no Congresso nas últimas semanas, considerando a expectativa de que a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, siga demandando medidas de isolamento social no Brasil ao longo do segundo semestre.

Além dos senadores e do presidente do do TSE, também participarão do evento algumas das maiores autoridades do país em direito eleitoral e especialistas em saúde pública.

Na agenda do Senado, estão confirmadas as presenças do ministro Henrique Neves da Silva, presidente do Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral (Ibrade); Marcelo Weick Pugliesi, coordenador-geral da Academia Brasileira de Direito Eleitoral (Abradep); Felipe Santa Cruz, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); o epidermologista Paulo Lotufo. o infectologista David Uip e o biólogo Átila Iamarino.

PEC será votada na terça

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) anunciou para esta terça-feira (23) a votação da Proposta de Emenda à Constituição nº 18/2020, que trata do assunto. Diversos parlamentares têm se manifestado a favor de um adiamento, mas há entendimento de que o pleito deve ser realizado impreterivelmente neste ano para não ocasionar no prolongamento de mandatos de prefeitos e vereadores.

Originalmente, as eleições municipais estão marcadas para 4 e 25 de outubro — datas previstas, respectivamente, para serem realizados o primeiro e o segundo turno. Em conversa com CNN na noite deste domingo, o relator da PEC, senador Weverton Rocha (PDT-MA), afirmou que deve sugerir em seu relatório as novas datas de 15 e 29 de novembro.

“Estamos correndo contra o tempo, esse é um assunto que movimenta todo o Brasil e não podemos segurar essa matéria”,disse Weverton Rocha na última semana. É esperado que ele entregue seu relatório ao fim da sessão de debates ensta segunda.

Segundo a apuração da CNN, embora bem aceita entre senadores, as novas datas sugeridas pelo relator não formam consenso na Câmara. Entre os deputados, há um grupo que defende que o segundo turno seja realizado em 6 de dezembro. Há parlamentares, ainda, que até aqui se colocam contrários ao adiamento das datas originais.

Voto facultativo

Nas últimas semanas, foi ventilada a proposta de, excepcionalmente, se permitir voto facultativo a eleitores acima de 60 anos, faixa etária que faz parte do grupo de risco da Covid-19.

Em sua conversa com a CNN, porém, o relator Weverton Rocha indicou que tirará essa possibilidade de seu relatório. Deputados e senadores chegaram à conclusão de que isso poderia afetar os resultados das urnas, já que cerca de 20% do eleitorado tem acima de 60 anos. Atualmente, apenas pessoas acima de 70 anos podem escolher se querem ou não votar.

CNN apurou ainda que o relatório da PEC do Senado trará um dispositivo na lei para a possibilidade de eleições suplementares. Isso ocorrerá onde houver impedimento de eleição, devido à doença, no dia previsto nas demais cidades do país. Nesse caso, caberá à Comissão Mista do Congresso Nacional que foi montada para acompanhar as ações de combate ao novo coronavírus atuar na realização de um pleito fora de época.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *