https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2020/10/WhatsApp-Image-2020-10-16-at-14.25.47.jpeg

FORÇA FEMININA

Mulheres líderes do agronegócio discutem propostas com Nilson Leitão

Edson Rodrigues

Candidato ao Senado Federal pelo PSDB, Nilson Leitão esteve em reunião, na manhã de sexta-feira (16.10), com líderes femininas para discutir propostas para o agronegócio do Estado. Ao lado de sua esposa, Renata Leitão, eles escutaram as principais demandas, queixas e ideias dessas mulheres para a chapa “Mato Grosso Por Inteiro”. Em conferência remota, ele esteve atento a cada uma das observações das 12 mulheres presentes. “Estou aqui para ouvir vocês”, disse.

Segundo Nilson, a participação das mulheres na política, especialmente em um momento importante para o Brasil, é essencial. Produtora rural em Lucas do Rio Verde, Denise Krieger Girotto Hasse, diz que as mulheres estão engajadas a construir uma política honesta e justa.
“A gente quer politizar o nosso meio, levando os anseios e as dores dos produtores rurais, dando uma voz ativa para eles, dos pequenos aos grandes. Isso, de nos receber, é um passo gigantesco e honrado da tua parte”, afirmou.

A discussão sobre a agricultura foi feita por uma perspectiva feminina levando em consideração as suas necessidades, mas as produtoras rurais garantem que irão lutar por todo o agro. Para isso, pedem que um canal da comunicação direta com o Senado seja criado. “Queremos saber os projetos que estão em andamento, queremos poder opinar, poder acompanhar, poder estar presente e fazer parte. Não somente levar, mas trazermos desenvolvimento para o Mato Grosso. O agro não cresce sozinho, a comunidade geral se beneficia com o agro”, argumentou Denise Hasse.

Apesar de não ser produtor rural, o candidato se compromete, assim como fez durante seus 8 anos na Câmara dos Deputados, a defender os interesses do setor no Senado, que é o carro-chefe da economia mato-grossense. Se for eleito, ele pretende revolucionar o campo por meio de incentivos econômicos. “Nós somos bons no que exportamos, mas ainda não produzimos aquilo que consumimos. Eu acho que nós precisamos enriquecer o Mato Grosso por inteiro”, ressalta.

O agronegócio está em constante modernização, porém, no interior do Estado, há uma falta de formação profissional que prepare esses agricultores para as novas tecnologias, menciona a produtora rural de Tangará da Serra, Patrícia Pasa. “A gente tem um déficit de formadores profissionais que trabalhem com o agro. Os municípios do agro não têm políticas regionais de formação profissional para quem quer trabalhar na agricultura”.

Leitão, por outro lado, acredita que esse aperfeiçoamento deve ser fornecido pelo Estado. “Não é apenas para ensinar a plantar, é imprescindível entender todo o processo do agronegócio, desde cedo nas escolas. A educação tem um papel fundamental, não somente na formação de profissionais do campo, mas para a construção da ética e cidadania dos estudantes”, concluiu.

ERRATA

Na última sexta-feira (16.10), Nilson Leitão (PSDB) esteve em reunião com mulheres líderes do agronegócio. Eles conversaram sobre propostas para o futuro mandato no Senado e decidiram trabalhar juntos. No entanto, uma das falas das participantes ficou fora do contexto e ela foi mal interpretada.

A produtora rural Patrícia Pasa, de Tangará da Serra, acredita que há um déficit, em Matos Grosso, no treinamento e capacitação das novas tecnologias do campo, mas ela não se referiu aos produtores rurais, e sim aos colaboradores das áreas rurais. Eles, muitas vezes, não possuem a capacitação necessária para manejar a tecnologia que o agricultor investe, por isso seria essencial investir na formação desses profissionais.

“Falta uma mão de obra que prepare as pessoas para trabalharem na agricultura. Precisamos ter pessoas que preparam os colaboradores, para que essa juventude que está sendo inserida no mercado de trabalho tenha qualificação suficiente para lidar com as novas tecnologias que hoje fazem parte da agricultura. Se houver um estímulo por parte do Estado quanto ao incentivo fiscal para as empresas prepararem esses trabalhadores, isso pode ter um rebote na diminuição da vulnerabilidade social”, concluiu.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 17 de outubro de 2020 às 15:11:14