https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2021/02/acb1b5d56dc3aabd1e800540697749f5.jpg

PANDEMIA CUIABANA

A população tem que exigir direitos, mas também tem deveres, diz Emanuel

Luiz Alves

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), foi severamente questionado acerca de sua conduta diante da situação atual da capital cuiabana, visto o avanço da pandemia de coronavírus e a jogada de responsabilidade, diante dos números crescentes de doentes e mortos para a população, além de ser indagado sobre a ineficácia das medidas restritivas e a criação de um lockdown, já que os decretos não estão sendo suficientes para frear os casos de Covid-19.

Primeiro, eu não estou jogando a culpa em cima da população, estou chamando a responsabilidade sim da população, tem que ajudar, cada um tem que fazer sua parte, se não, não adianta medidas, pode ficar todo mundo em casa o ano inteiro, pode baixar decreto. Tô chamando sim a responsabilidade da população, tem que exigir os seus direitos, mas também tem que saber os seus deveres, todos“, pontuou o emedebista.

Sobre a possibilidade do aumento da rigidez das medidas restritivas, o chefe do executivo ponderou sobre a questão da saúde mental, e do temido desemprego. “A questão do lockdown, um ano depois, você acha que fechar 15 dias, você vai conseguir uma coisa, vai ter que ficar mudando o decreto o tempo inteiro, porque existe uma condição emocional da população que você tem que levar em conta, psicológica. A população precisa de solidariedade, de acolhimento, precisa de segurança. Você ficar toda hora sem conversar com ninguém mais, baixando decretos. Hoje a população está com medo de perder o emprego“, observou Pinheiro.

Ainda sobre a severidade do decreto, o prefeito pontua, usando o exemplo dos jornalistas, do comércio e restaurantes, versus, locais badalados na noite cuiabana. “Não é o seu trabalho como jornalista que vai propagar o vírus, agora a boate “Nuun” funcionando do jeito que estava, vai provavelmente. Não é o comércio funcionando que vai propagar o vírus, não são vocês os propagadores do vírus e sim as festas clandestinas que bombam aí em vários bairros. Não é um restaurante que vai propagar o vírus, mas o “Ditado Popular” na praça popular e outros bares são o foco de propagação do vírus“, disse Emanuel ressaltando também que obviamente os locais citados como não propagadores do vírus, são aqueles que seguem as medidas de biossegurança.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO