https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2022/03/WhatsApp-Image-2022-03-04-at-15.00.19.jpeg

JAQUELINE FRANÇA

Comportamento repetitivo no autismo

JAQUELINE FRANÇA

Se você é pai ou mãe de uma pessoa com Autismo já deve, por vezes, ter pensado em formas de extinguir aquele comportamento repetitivo que você não aguenta mais. Seja falar sobre o mesmo assunto, alinhar e categorizar objetos, perguntas repetitivas, balançar das mãos, pular, correr.

Pois bem, hoje sabemos que a falta de controle e previsibilidade pode ser um dos fatores que faz pessoas com Autismo recorrer a comportamento previsíveis e que deem sensação de controle. Imagina você não ter controle sobre o seu próprio corpo, sobre as pessoas, sobre o ambiente em que você vive. Fazer e participar de rituais, se envolver em atividades repetitivas, ritualizadas, podem te ajudar, proporcionando mais calmaria e conforto.

Estamos falando em autorregulação uma habilidade que pessoas com Autismo possuem dificuldade, e por não conseguir, recorrem a autoestimulação. Ou seja, estimulam parte do corpo ou o corpo através da manipulação de objetos.

Desse modo, concluímos que os comportamentos repetitivos feitos ou não em isolamento têm uma função para a pessoa com autismo. Sabendo disso, então como extinguir algo que faz parte do processamento de alguém? É necessário e traz bem-estar.

Construir é a chave, ter e criar ideias a partir do hiperfoco da criança e, é claro, se apaixonar por eles. Pode ser uma excelente forma de lidar e de ajudar a pessoa com autismo a variar seus repertórios de interesses.

Dando esse modelo de que é possível partir do hiperfoco, podemos ajudar adolescentes, jovens e adultos a direcionar os seus talentos para um espaço no mercado de trabalho.

Será que um interesse em carros pode fazer de alguém um excelente profissional em mecatrônica? Um interesse em música pode fazer de alguém um excelente musicoterapeuta ou músico. Por que não? Ou que o hiperfoco em legislação pode fazer de alguém um excelente profissional em Direito.

Um bom exemplo disso é o que a Naiara, mãe do Dom fez. Ela transformou as artes que o Dom faz em lego em ilustrações para camisetas. O Dom faz os seus robôs em lego e através de fotografias elas são eternizadas e direcionadas.

Jaqueline França é é psicóloga, consultora sênior trainer da Inspirados pelo Autismo, com formações em Psicologia Sistêmica de Família e Casal, Terapia de EMDR e Brainspotting e diretora da Clínica Nosso Espaço.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *