https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/06/arcanjo-dois.jpg

OPERAÇÃO MANTUS

Vídeo mostra chegada de João Arcanjo Ribeiro para depor na GCCO

João Arcanjo Ribeiro está preso desde 29 de maio. Foto: Mato Grosso Mais

O ex-comendador João Arcanjo Ribeiro chegou, há pouco, à sede da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), veja vídeo abaixo, para prestar depoimento ao delegado Flávio Stringuetta.

Arcanjo chegou ao local sob um forte esquema de segurança, algemado e com um colete à prova de balas.

Ele foi preso no dia 29 de maio é acusado de liderar jogos do bicho pela “Colibri”.


Ele cumpria pena em casa há 1 e 4 meses, desde que conseguiu a progressão do regime para semiaberto em fevereiro de 2018. Esta é a 2º vez que ele é alvo de inquérito por participação no jogo do bicho.

Stringueta avalia que nesse tipo de crime é comum que os réus não se manifestem. “A maioria está mantendo silêncio, é um direito constitucional, apenas um resolveu falar e confessou sua participação”, afirma Stringueta.

Foram ouvidas seis pessoas, na terça-feira (4), sendo elas Bruno Almeida dos Reis, Alexsandro Correia, Giovanni Zem Rodrigues, Mariano Oliveira, Marcelo Gomes Honorato e João Henrique Sales de Souza. Sendo que somente um dos acusados falou no depoimento.

João Henrique foi o único que prestou depoimento assumindo os crimes, admitiu que pertence à organização criminosa FCM Ello, liderada por Frederico Müller Coutinho.

Operação Mantus

As investigações iniciaram em agosto de 2017, conseguindo descortinar duas organizações criminosas que comandam o jogo do bicho no Estado de Mato Grosso, e que movimentaram em um ano, apenas em contas bancárias, mais de R$ 20 milhões. Uma das organizações é liderada por João Arcanjo Ribeiro e seu genro Giovanni Zem Rodrigues, já a outra é liderada por Frederico Muller Coutinho.

No total, foram expedidos 63 mandados judiciais, sendo 33 de prisão preventiva e 30 de busca e apreensão domiciliar, expedidos pelo juiz da 7ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá, Jorge Luiz Tadeu.

Os suspeitos vão responder pelo crime de organização criminosa, lavagem de dinheiro, contravenção penal do jogo do bicho e extorsão mediante sequestro, cujas penas somadas ultrapassam 30 anos.

Um comentário em “Vídeo mostra chegada de Arcanjo para depor na GCCO”

  1. As “autoridades” estão querendo aparecer mais do que os pops stars; usando a mídia tendenciosa para incriminar uma pessoa que já pagou pelos seus crimes…aliás, está paga do. Vejam bem, se o Sr. João Arcanjo Ribeiro estava em Prisão Federal, depois em casa com tornozeleira, sempre monitorado; estas acusações são no mínimo um atestado de incapacidade do próprio sistema prisional.
    Pq não cumprem apenas a lei, é deixem o show para os artistas de verdade?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 6 de junho de 2019 às 15:26:45
  • 6 de junho de 2019 às 15:11:49