https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/11/20191118_194215.jpg

CLIMA DE HOSTILIDADE

Troca de farpas entre Emanuel e Mendes e presença de cinco ex-governadores marcam entrega de HMC; VÍDEO

Mato Grosso Mais

A inauguração da última etapa do Hospital Municipal de Cuiabá (HMC) Dr. Leony Palma de Carvalho, na noite desta segunda-feira (18), foi marcada pelo reencontro do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), e do governador do Estado, Mauro Mendes (DEM). Os dois ao longo de várias semanas vêm trocando farpas pela imprensa por causa da obra.

A festa também contou com a participação dos ex-governadores Blairo Maggi (PP), Jayme Campos (senador – DEM), Júlio Campos (DEM), Carlos Bezerra (deputado federal – MDB), e de Pedro Taques (PSDB).

Além deles, o evento contou com a presença do presidente nacional do MDB, Baleia Rossi, e do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, do presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, deputado estadual Eduardo Botelho (DEM), do senador Wellington Fagundes, de deputados federais e estaduais, secretários do Estado e do município de Cuiabá, prefeitos do interior, entre outras autoridades.

Muitos acreditavam que a presença do governador Mauro Mendes (DEM), que só confirmou que iria na manhã de ontem, poderia ser interpretada como o fim das rusgas com o prefeito da Capital, mas não foi o que aconteceu.

Emanuel ainda tentou demover a imprensa dizendo que não havia clima “de guerra” entre eles.

“É o nosso governador, eu gostaria muito que ele viesse. Fiz o convite. Não poderia vir num primeiro momento, mas deu para adequar a agenda”.

Já na coletiva, Mendes fez questão de observar que a obra do HMC sempre esteve em andamento quando ele era prefeito de Cuiabá e anunciou a retomada do Hospital Central, parado há mais de 30 anos, e do Hospital Júlio Müller, obra que está parada desde o Governo Silval Barbosa (sem partido).

Quando questionado sobre recursos em atraso do Estado para Cuiabá, o governador citou que pegou o Governo com um passivo de R$ 600 milhões, só na saúde, de restos a pagar da administração de Taques,  e completou dizendo que na sua gestão não há atraso e que dessa dívida já foram pagos mais de R$ 100 milhões. O chefe do Paiaguás, porém, argumentou que vem pagando os municípios, e que para ele, Cuiabá não recebe tratamento nem melhor, nem pior.

Após a sua fala, Pinheiro rebateu dizendo discordar da visão de Mendes sobre o tratamento dado a Cuiabá, por entender que a Capital atende uma grande demanda do interior.

No palanque de autoridades, Emanuel e Mendes ficaram lado a lado. Mas, durante toda a sua permanência no local, Mendes e Emanuel não trocaram palavras.

Várias autoridades presentes fizeram discurso. Quando Mendes usou a palavra, elogiou o empreendimento público concluído pelo atual prefeito, mas ao final, tirou um documento e disse que gostaria de entregar a Emanuel. Era uma planilha, que segundo Mendes, mostrava que a obra pega por Emanuel nunca esteve parada.

“Só pra finalizar, eu queria deixar em suas mãos uma planilha, porque esses dias eu vi o senhor noticiando, e eu tenho certeza que o senhor fez isso, porque a assessoria deve ter informado de maneira equivocada que a obra ficou paralisada, aqui está em nossas mãos, documento oficial, que todos os meses durante esses anos sempre houveram medições que deixaram essa obra sempre em funcionamento. Eu tenho convicção que o senhor jamais falaria uma inverdade dessa”.

Após o discurso, Mendes deixou o local e foi direto para o Palácio Paiaguás participar de um jantar com prefeitos.

Nesta última etapa foram entregues a parte de Urgência e Emergência do hospital, que terá 06 salas de centro cirúrgico, observação pediátrica, 12 leitos de estabilização, 3 leitos de reanimação, 5 leitos de politrauma e 02 isolamentos. Na ocasião também serão entregues a Central de Material e Esterilização (CME) e o heliponto.

Com o funcionamento de 100% do HMC ele passa a contar com 315 leitos, sendo 178 de adultos, 20 leitos no Centro de Tratamento de Queimados, 60 de UTI, 38 de Emergência, seis salas de cirurgia e 13 leitos RPA (recuperação pós-anestesia), além do ambulatório com mais de 13 das especialidades médicas mais procuradas pela Central de Regulação, exames como ultrassonografia, endoscopia, colonoscopia e radiografia e parque tecnológicos com equipamentos de última geração.

Veja o vídeo

 

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 19 de novembro de 2019 às 10:06:14